Restaurante Comunitário do Paranoá reabre com capacidade para 900 refeições por dia

Frequentador assíduo, o casal Neuza e Faustino vai poder almoçar novamente na unidade, que precisou ser fechada em outubro, quando a prestadora do serviço interrompeu o contrato.

O casal Neuza Soares da Silva, de 64 anos, e Faustino Felício Moisés, de 63, comprometeu, desde outubro, mais da metade do orçamento familiar com alimentação.O casal Neuza Soares da Silva, de 64 anos, e Faustino Felício Moisés, de 63, almoçou hoje no Restaurante Comunitário do Paranoá, pagando R$ 2 cada um. Foto: Tony Winston/Agência Brasília

As finanças, baseadas exclusivamente na aposentadoria de Neuza, foram afetadas pelo fechamento, à época, do Restaurante Comunitário do Paranoá, do qual ela e o marido eram frequentadores assíduos.

A partir desta sexta-feira (7), porém, o refeitório popular retomou as atividades, com uma nova empresa gestora e com a estrutura renovada depois de passar por reparos.

“Nós dois almoçamos bem a R$ 4”, destaca Neuza. “Além do valor acessível, é uma comida bem feita, balanceada e gostosa.”

Como o casal, uma média de 900 pessoas deve voltar a frequentar a unidade, na Quadra 2, Lote A, Feira Livre, Área Especial. O funcionamento é de segunda a sábado, das 11 às 14 horas.
"Foi preciso refazer o processo de seleção de uma nova empresa para gerir o local"Gutemberg Gomes, secretário do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos

O equipamento público teve de ser fechado porque a antiga prestadora do serviço interrompeu o contrato antes do fim. No dia seguinte, a mesma contratada deixou também o Restaurante Comunitário de Brazlândia.

“Foi preciso refazer o processo de seleção [por meio de licitação] de uma nova empresa para gerir o local”, conta o secretário do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, Gutemberg Gomes.

Segundo ele, a mesma instituição, a Kadu Alimentos, também vai atender Brazlândia. O secretário estima a reabertura dessa unidade para a próxima semana.

Para que o restaurante comunitário voltasse a funcionar, a secretaria precisou fazer serviços de manutenção e adequação no espaço.

Foram trocados o telhado, o forro e o piso do salão e da cozinha. Além disso, a câmara fria passou por reforma, e a rede elétrica, por revitalização. As benfeitorias custaram por volta de R$ 170 mil aos cofres públicos.
Clientes são convidados a avaliar o restaurante

No cardápio da reabertura, havia estrogonofe, arroz, feijão, batata palha e salada, com suco de caju e, de sobremesa, um bombom.

Na saída, ao tomar um cafezinho de cortesia, os clientes foram convidados a responder a uma avaliação, com critérios como qualidade e quantidade das porções dos alimentos e condições físicas do ambiente.
4 milhõesQuantidade de refeições servidas no horário de almoço, em 2016, nos 14 restaurantes comunitários de Brasília

“Colocamos essa pesquisa em todos os restaurantes, para que o público possa nos dar informações sobre o que podemos melhorar”, destaca o coordenador de Segurança Alimentar da secretaria, Pedro Mader. Segundo ele, o levantamento é feito desde janeiro.
Restaurantes comunitários do DF

O Distrito Federal tem 14 restaurantes comunitários. Além do Paranoá e de Brazlândia, há unidades nas seguintes regiões administrativas: Ceilândia, Estrutural, Gama, Itapoã, Planaltina, Recanto das Emas, Riacho Fundo, Samambaia, Santa Maria, São Sebastião, Sobradinho II e Sol Nascente.

Por meio do programa de segurança alimentar e nutricional do DF, no ano passado, esses refeitórios populares serviram mais de 4 milhões de refeições no horário de almoço, entre 11 e 14 horas.

Em 23 de novembro, o restaurante de Sol Nascente passou a servir também o café da manhã, a R$ 0,50.

O almoço custa R$ 1 para os inscritos no Cadastro Único (CadÚnico) do governo de Brasília que sejam membros de família com renda mensal de até R$ 2.811 (o equivalente a três salários mínimos) ou de até R$ 440 per capita. Pessoas que não se enquadram nesses perfis pagam R$ 2.

Para se inscrever no CadÚnico, é preciso ligar para o telefone 156 e marcar atendimento em um dos centros de referência de assistência social (Cras).

© Espaço Mulher DF - 2013 - Todos os direitos reservados.
imagem-logo