Jardim Botânico mantém banco de sementes de espécies do Cerrado

Trabalho começa na coleta de frutos na natureza e pode ajudar a recuperar áreas degradadas do bioma.

Sementes coletadas no Distrito Federal foram enviadas ao Jardim Botânico de Jundiaí há dois anos com a missão de ajudar na recuperação do Cerrado no município de São Paulo.Há cerca de 30 espécies catalogadas no banco de sementes do Jardim Botânico. A diretora de Fitologia, Priscila Oliveira, explica que o cuidado visa minimizar os efeitos da natural perda da capacidade de germinação. Foto: Tony Winston/Agência Brasília

Esse tipo de socorro não é exceção e só foi possível graças ao banco de sementes que o Jardim Botânico de Brasília mantém desde 2015. Há cerca de 30 espécies catalogadas. Porém, mais de 60 já integraram a lista.

A equipe responsável atualiza a oferta com frequência, conforme coletam na natureza. A diretora de Fitologia da instituição, Priscila Oliveira, explica que o cuidado visa minimizar os efeitos da natural perda da capacidade de germinação das sementes depois de um determinado tempo.

Para aumentar a durabilidade, o material é mantido em uma câmara fria, a uma temperatura que varia de 16 a 18 graus. “Isso mantém essa semente dormente e a faz não perder a vitalidade tão rápido como se estivesse na natureza”, esclarece a diretora. A medida garante que elas durem de um a quatro anos, a depender da espécie.
"Costumamos coletar uma quantidade pequena, que sabemos que não vai fazer falta na natureza"Priscila Oliveira, diretora de Fitologia do Jardim Botânico de Brasília

O trabalho para manter o catálogo começa com a coleta de frutos, principalmente dentro da Estação Ecológica Jardim Botânico de Brasília, que tem 4,5 mil hectares destinados à conservação do Cerrado.

A quantidade da amostra é avaliada pelos servidores. “Costumamos coletar uma quantidade pequena, que sabemos que não vai fazer falta na natureza”, destaca a diretora de Fitologia.

O objetivo do banco em Brasília é manter o material nativo do bioma e ainda mostrar o que a estação abriga. Priscila conta que a decisão de focar em espécies daqui foi com base no estudo de índices de jardins de outras partes do País, que já abrigam espécies exóticas, por exemplo, e distintas. “A gente vê que tem umas espécies difíceis de coletar e armazenar. Então, as procuramos.”

As trocas de sementes podem ser nacionais ou internacionais. Se for o segundo caso, é preciso que haja autorização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Depois da coleta, que ocorre em época seca, os frutos passam por triagem e ficam em observação até que abram naturalmente e soltem as sementes. Isso para que elas sejam retiradas quando forem viáveis para germinação.

O material, então, é limpo, de maneira que só as sementes sejam guardadas em vidros ou sacos de papel, na câmara fria. Toda amostra recebe uma etiqueta com dados resumidos como a designação científica, o nome comum e um código de inscrição.

“Esse número é muito importante para a gente, pois é a identificação no banco de dados”, detalha a servidora do Jardim Botânico de Brasília. Já no sistema, ainda há o detalhamento da localização geográfica da matriz onde os frutos foram colhidos.

© Espaço Mulher DF - 2013 - Todos os direitos reservados.
imagem-logo