Lula é condenado por Moro a 9 anos e seis meses de prisão

Juiz da Lava Jato afirma que ex-presidente recebeu R$ 3,7 milhões de propinas da OAS, no triplex do Guarujá

REUTERS/Ueslei Marcelino

Aos 71 anos de idade, Luiz Inácio Lula da Silva foi condenado a 9 anos e seis meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A condenação do juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal, em Curitiba, é a primeira do ex-presidente na Operação Lava Jato.

“Entre os crimes de corrupção e de lavagem, há concurso material, motivo pelo qual as penas somadas chegam a nove anos e seis meses de reclusão, que reputo definitivas para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva”, condenou Moro.

O ex-presidente está condenado pelo recebimento de R$ 3,7 milhões de propinas – de um valor total de R$ 87 milhões de corrupção – da empreiteira OAS, entre 2006 e 2012.

O dinheiro foi pago na ampliação e montagem do triplex 164-A, no Edifício Solaris, no Guarujá (SP), – que a Lava Jato afirma ser de Lula – e no custeio do armazenamento de bens do acervo presidencial, de 2011 a 2016, em empresa especializada.

É a primeira condenação de Lula na Lava Jato. O ex-presidente responde como réu em outro processo aberto por Moro e ainda um na Justiça Federal, no Distrito Federal.

Líder

A força-tarefa da Lava Jato considera que Lula era o “líder máximo” do esquema sistematizado de corrupção descoberto na Petrobrás e replicado em outras estatais e negócios do governo federal. Por meio dos desvios e arrecadação de propinas, o petista teria garantido a governabilidade de sua gestão e a permanência no poder, com o financiamento ilegal das campanhas suas e de aliados.

Nesse processo, Lula é condenado pelo crime de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Pelos pagamentos via triplex, ele teria praticado 3 vezes corrupção passiva entre 11 de outubro de 2006 a 23 de janeiro de 2012. Nesse mesmo negócio, o petista foi condenado por 3 vezes ter praticado crime de lavagem de dinheiro entre 8 de outubro de 2009 até 2017.

O ex-presidente também foi condeando no caso dos pagamentos da OAS pelo armazenamento dos bens pessoas por 61 crimes de lavagem de dinheiro, praticados entre 1 de janeiro de 2011 e 16 de janeiro de 2016 – caracterizando continuidade delitiva.

Confissão

A confissão, em juízo, de Léo Pinheiro, foi devastadora para Lula nesse processo. Ex-presidente da OAS e empreiteiro do cartel alvo da Lava Jato com maior proximidade com Lula, ele afirmou categoricamente a Moro que que “o apartamento era do presidente”.

“O sr. entende que deu a propriedade do apartamento para o presidente?”, indagou o advogado de Lula Cristiano Zanin Martins.

Fonte: Estadão Conteúdo

© Espaço Mulher DF - 2013 - Todos os direitos reservados.
imagem-logo