Política de dados abertos é instituída no DF

Assinatura eletrônica do governador Rodrigo Rollemberg foi feita na cerimônia de comemoração de 1 milhão de documentos processados pelo Sistema Eletrônico de Informações, nesta segunda (24).

Em encontro feito para comemorar 1 milhão de documentos processados pelo Sistema Eletrônico de Informações (SEI), o governador Rodrigo Rollemberg usou o computador para assinar o decreto que institui a política de dados abertos no Distrito Federal.Assinatura eletrônica do governador Rodrigo Rollemberg foi feita na cerimônia de comemoração de 1 milhão de documentos processados pelo Sistema Eletrônico de Informações , nesta segunda (24). Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília

A cerimônia Café Hacker ocorreu na Residência Oficial de Águas Claras na manhã desta segunda-feira (24).

O documento representa mais uma ação do governo de Brasília para garantir a publicidade dos atos públicos. Além das informações do Portal da Transparência e do Siga Brasília, quem quiser saber mais sobre ações do Executivo local terá acesso à base de dados da administração pública.
“Investimos no nosso datacenter, trouxemos a Campus Party e queremos implementar o Biotic — Parque Tecnológico”Rodrigo Rollemberg, governador de Brasília

“Quando assumimos o governo, ficamos espantados com o atraso tecnológico da administração pública no DF. Por isso, investimos no nosso datacenter, trouxemos a Campus Party e queremos implementar o Biotic — Parque Tecnológico”, disse Rollemberg.

“Toda vez que damos mais transparência, podemos identificar mazelas de muitos anos acumuladas no serviço público.”

A política de dados abertos é um desdobramento da Open Government Partnership (Parceria de Governos Abertos, em tradução literal), iniciativa de 2011 com oito países signatários — entre eles, o Brasil.
SEI chega a 1 milhão de documentos processados

Vinte e três órgãos do governo de Brasília estão 100% informatizados. A meta é chegar a 33 em 2017 — o que inclui as Secretarias de Educação e de Saúde e, portanto, a maior parte do Executivo local — e todos os 89 até o fim de 2018. O SEI já processou 1.032.144 documentos.

A marca de 1 milhão foi atingida na semana passada. Coube ao servidor Welkson Isidoro do Nascimento, do Instituto Brasília Ambiental (Ibram), o milionésimo documento. “Economiza-se, além de papel, com combustível e motorista, que levava os documentos físicos”, observou a secretária de Planejamento, Orçamento e Gestão, Leany Lemos.

Entre as unidades que já adotaram a plataforma, o Corpo de Bombeiros Militar apresentou 80% de economia com consumo de papel — esse percentual está em 67% no Ibram, 52% na Secretaria de Planejamento e 40% na Secretaria de Fazenda. A Casa Militar reduziu em 32% os gastos com impressões.

E foi assim, pelo Sistema Eletrônico de Informações, que Rollemberg assinou o Decreto nº 38.354 para instituir a política de dados abertos no DF.
Hackathon Inova Brasília: soluções para governo e população por aplicativos

Citada pelo governador, a Campus Party pautou parte do Café Hacker. Os 1º, 2º e 3º colocados do Hackathon Inova Brasília — competição promovida pelo governo na feira de inovação —, assim como aqueles que levaram menção honrosa, apresentaram os trabalhos na Residência Oficial de Águas Claras.O campeão foi o Matrícul@ SEDF, que automatiza o processo de telematrículas. A equipe desenvolvedora negocia com a Secretaria de Educação para implementar a ferramenta. Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília

O campeão foi o Matrícul@ SEDF, que automatiza o processo de telematrículas. A equipe desenvolvedora negocia com a Secretaria de Educação para implementar a ferramenta para identificar pelo CEP onde há as maiores demandas por vagas.

A segunda colocação ficou com o Salvaguarda, aplicativo pelo qual a população responde um questionário sobre o quão seguro se sente naquele lugar. A ferramenta funcionará por georreferenciamento para permitir aos gestores da Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social saber para onde direcionar o efetivo.

Há ainda o terceiro lugar, do GoByBus, pelo qual o passageiro do transporte público marca uma rota para saber quando passa o próximo ônibus.

A menção honrosa ficou para o Alerta Para Mulheres, espécie de botão do pânico que envia dados e localidade da denunciante à Central Integrada de Atendimento e Despacho. O aplicativo será gratuito para o governo.

Todos esses aplicativos terão melhor funcionalidade com a abertura dos dados da administração pública. “Esse tipo de atuação em parceria é essencial. Se for somente pelo governo, é necessário fazer projeto básico, abrir licitação e ter um ano de espera. Vamos abrir a base de dados para que o cidadão nos ajude a melhorar os serviços”, disse o controlador-geral do DF, Henrique Ziller.

A Campus Party reuniu, em junho, cerca de 5 mil pessoas no Centro de Convenções Ulysses Guimarães. A expectativa para a próxima edição, em 2018, é de 8 mil. “Queremos levar o evento para o Estádio Nacional Mané Garrincha”, disse o secretário adjunto do Trabalho, Thiago Jarjour.

© Espaço Mulher DF - 2013 - Todos os direitos reservados.
imagem-logo