Novo banco de leite duplicará capacidade de atendimento de Brazlândia

As lajes já foram colocadas, e as obras seguem dentro do prazo de entrega para janeiro de 2018

A capacidade de atendimento do Banco de Leite Humano do Hospital Regional de Brazlândia será duplicada com a nova unidade, em construção. Com as lajes recém-colocadas, a obra segue dentro do prazo para a entrega em janeiro, 120 dias desde o início em 6 de setembro.Capacidade de atendimento do Banco de Leite Humano do Hospital Regional de Brazlândia será duplicada. Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília

Segundo a Secretaria de Saúde, a estrutura terá um espaço maior para que os procedimentos de tratamento e controle de qualidade do leite sejam feitos. O atual banco tem 45 metros quadrados, enquanto o novo terá 148.

A chefe da unidade e nutricionista, Gisele Pereira Gomes, detalha as etapas. “Avaliamos a acidez, fazemos o crematócrito (processo que informa o valor calórico), avaliamos a microbiótica, medimos a qualidade da cor e do odor. Por último, o leite é pasteurizado.”

Depois, o líquido é armazenado em refrigeradores da unidade. De janeiro a 30 de novembro de 2017, 609 crianças receberam amamentação pelo banco de leite de Brazlândia — a média mensal é de 55 crianças atendidas e de 44 litros recebidos.

Gisele explica que as doações vão para crianças das áreas rural e urbana de Brazlândia e para moradores do Entorno.
De 800 a 900Quantidade mensal de bebês amamentados pelos bancos de leite humano do DF

As doadoras costumam residir nessas mesmas áreas, como Ane Cristiele de Oliveira, de 31 anos. A equipe do hospital ensinou a professora da rede pública de Goiás a tirar o leite. “Agora eu mesma faço quando meu filho termina de beber.”

Orçado em R$ 529 mil, o novo banco sairá por R$ 349 mil, devido ao valor oferecido pela empresa que venceu a licitação, a Lago Tecnologia. Os dados são da Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap).
Doadoras de leite humano podem ligar para o 160 ou usar a internet

Para informações sobre doação de leite, é possível ligar no número 160, opção 4, ir a um dos bancos de leite do DF ou acessar o portal Amamenta Brasília na internet.

Nos três casos, a doadora recebe orientações sobre como retirar o leite da mama, como receber os materiais de coleta em casa e os dias em que os bombeiros recolhem na região.



De acordo com a pasta de Saúde, de 800 a 900 bebês de Brasília são amamentados pelos bancos de leite da cidade por mês.


LEIA TAMBÉM


BANCOS DE LEITE HUMANO DO DF RECEBEM CERTIFICADO DE EXCELÊNCIA


DOADORAS DE LEITE MATERNO AGORA PODEM SE CADASTRAR EM SITE DA SECRETARIA DE SAÚDE


LEITE MATERNO: GOTAS ESSENCIAIS PARA SALVAR VIDAS

A coordenadora dos Bancos de Leite da secretaria, Miriam Santos, enumera as necessidades para doações. “Às vezes, as crianças não pegam o peito, e as mães não sabem o que fazer. Bebês com má formação podem não conseguir tomar o leite fisicamente. Outros podem ter alguma doença que requer o leite doado.”

Um exemplo dessas condições são problemas cardíacos. Um bebê com esse tipo de doença tem que fazer maior esforço para mamar. Ao mesmo tempo, o coração dessa criança requer uma alimentação reforçada.

Miriam destaca que o Brasil assinou os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável para 2025, que preveem que 50% da população de crianças até os 6 meses receba alimentação exclusivamente do leite materno. Atualmente, Brasília está com 65%.


EDIÇÃO: MARINA MERCANTE

Novo banco de leite duplicará capacidade de atendimento de Brazlândia



As lajes já foram colocadas, e as obras seguem dentro do prazo de entrega para janeiro de 2018
VINÍCIUS BRANDÃO, DA AGÊNCIA BRASÍLIA



A capacidade de atendimento do Banco de Leite Humano do Hospital Regional de Brazlândia será duplicada com a nova unidade, em construção. Com as lajes recém-colocadas, a obra segue dentro do prazo para a entrega em janeiro, 120 dias desde o início em 6 de setembro.Capacidade de atendimento do Banco de Leite Humano do Hospital Regional de Brazlândia será duplicada. Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília

Segundo a Secretaria de Saúde, a estrutura terá um espaço maior para que os procedimentos de tratamento e controle de qualidade do leite sejam feitos. O atual banco tem 45 metros quadrados, enquanto o novo terá 148.

A chefe da unidade e nutricionista, Gisele Pereira Gomes, detalha as etapas. “Avaliamos a acidez, fazemos o crematócrito (processo que informa o valor calórico), avaliamos a microbiótica, medimos a qualidade da cor e do odor. Por último, o leite é pasteurizado.”

Depois, o líquido é armazenado em refrigeradores da unidade. De janeiro a 30 de novembro de 2017, 609 crianças receberam amamentação pelo banco de leite de Brazlândia — a média mensal é de 55 crianças atendidas e de 44 litros recebidos.

Gisele explica que as doações vão para crianças das áreas rural e urbana de Brazlândia e para moradores do Entorno.
De 800 a 900Quantidade mensal de bebês amamentados pelos bancos de leite humano do DF

As doadoras costumam residir nessas mesmas áreas, como Ane Cristiele de Oliveira, de 31 anos. A equipe do hospital ensinou a professora da rede pública de Goiás a tirar o leite. “Agora eu mesma faço quando meu filho termina de beber.”

Orçado em R$ 529 mil, o novo banco sairá por R$ 349 mil, devido ao valor oferecido pela empresa que venceu a licitação, a Lago Tecnologia. Os dados são da Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap).
Doadoras de leite humano podem ligar para o 160 ou usar a internet

Para informações sobre doação de leite, é possível ligar no número 160, opção 4, ir a um dos bancos de leite do DF ou acessar o portal Amamenta Brasília na internet.

Nos três casos, a doadora recebe orientações sobre como retirar o leite da mama, como receber os materiais de coleta em casa e os dias em que os bombeiros recolhem na região.



De acordo com a pasta de Saúde, de 800 a 900 bebês de Brasília são amamentados pelos bancos de leite da cidade por mês.


LEIA TAMBÉM


BANCOS DE LEITE HUMANO DO DF RECEBEM CERTIFICADO DE EXCELÊNCIA


DOADORAS DE LEITE MATERNO AGORA PODEM SE CADASTRAR EM SITE DA SECRETARIA DE SAÚDE


LEITE MATERNO: GOTAS ESSENCIAIS PARA SALVAR VIDAS

A coordenadora dos Bancos de Leite da secretaria, Miriam Santos, enumera as necessidades para doações. “Às vezes, as crianças não pegam o peito, e as mães não sabem o que fazer. Bebês com má formação podem não conseguir tomar o leite fisicamente. Outros podem ter alguma doença que requer o leite doado.”

Um exemplo dessas condições são problemas cardíacos. Um bebê com esse tipo de doença tem que fazer maior esforço para mamar. Ao mesmo tempo, o coração dessa criança requer uma alimentação reforçada.

Miriam destaca que o Brasil assinou os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável para 2025, que preveem que 50% da população de crianças até os 6 meses receba alimentação exclusivamente do leite materno. Atualmente, Brasília está com 65%.


EDIÇÃO: MARINA MERCANTE

© Espaço Mulher DF - 2013 - Todos os direitos reservados.
imagem-logo