Zoológico de Brasília conserva material genético de 23 espécies

Mantidas no banco de germoplasma, células e gametas de animais que morreram no parque podem futuramente ajudar na conservação das espécies.

Em temperatura controlada e espaço adequado para que permaneçam vivos, materiais genéticos de 23 espécies do parque — dez delas com alto risco de extinção — são mantidos pela Fundação Jardim Zoológico de Brasília.


Material genético preservado pode ajudar na conservação de espécies. Foto: Tony Winston/Agência Brasília

O banco de germoplasma do zoo é mantido em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), que faz o cultivo e o congelamento das células.

A unidade do órgão federal onde está o laboratório, no Recanto das Emas, já trabalha com técnicas de reprodução bovina e replica a técnica para os animais silvestres.

O zoológico tem projeto básico pronto para licitar seu próprio laboratório, mas ainda não há data para a abertura do processo.

Entre as 23 espécies com material congelado, há onça-pintada, lobo-guará e gato-palheiro, todos ameaçados de extinção. A última a entrar na lista, sem estar ameaçada, é o elefante-africano.

Uma amostra de pele de uma das orelhas de Babu, que morreu em 8 de janeiro, foi cultivada e agora é observada para que a quantidade de células aumente até poderem ser congeladas.


-60ºC
Temperatura média em que serão conservadas células do elefante Babu

Quando suficientes, elas serão conservadas em um botijão com nitrogênio a uma temperatura média de 60 graus (ºC) negativos.

O material conservado no banco são células somáticas — que compõem o corpo de uma maneira geral — e gametas. No primeiro caso, elas podem ser retiradas de pele ou gordura. No segundo, por enquanto, utilizam-se apenas espermatozoides.
Banco pode auxiliar na conservação das espécies

Além dos fins de pesquisa, o objetivo é que, no futuro, esse material genético seja usado para conservação dessas espécies. “Não é reproduzir animais e devolvê-los para a natureza, mas recompor esses animais em cativeiro”, esclarece a analista responsável pelo banco na Embrapa, a bióloga Heide Bessler.

A chefe do Núcleo de Bem-Estar Animal do zoo, Letícia Gobbi Arantes, explica que, no caso dos sêmens, a utilização é mais simples e pode ser feita, por exemplo, em intercâmbio com outros zoos.


“Guardando o material genético aqui, temos a possibilidade de aumentar a variabilidade genética”Letícia Gobbi Arantes, chefe do Núcleo de Bem-Estar Animal, do Zoológico de Brasília

“Como animais de zoológico têm um cruzamento muito restrito, acaba que a genética é pouco variada. Guardando o material genético aqui, temos a possibilidade de aumentar a variabilidade genética”, detalha Letícia.

A utilização dos espermatozoides ainda não tem data definida para acontecer. No entanto, a primeira espécie a ser reproduzida com o banco deve ser a do cervo-nobre, que guarda semelhança com os animais já estudados pela Embrapa.

No Zoológico de Brasília, há duas fêmeas do cervo, e elas estão aptas a receber o sêmen congelado de um macho que morreu.

Quanto às células somáticas, o processo é um pouco mais demorado e exige um estudo aprofundado sobre formas de reprodução e até hábitos de cada espécie.

“Nosso esforço é para que, quando houver o domínio total das técnicas, haja clonagem e possamos ver a capacidade de eles [os clonados] se reproduzirem”, conta Letícia.

A estrutura para manter o banco, que já existe desde 2010, é a básica de um laboratório. Ali se preparam pequenas biopsias, normalmente de pele ou gordura, em placas de vidro. Nelas, são colocados meios de cultura específicos, enriquecidos com nutrientes e fatores de crescimento.

O material vai, então, para uma estufa de cultivo, com atmosfera de dióxido de carbono e temperatura controlada em 38 graus. Lá, ele é armazenado por uma semana e depois fica em observação para ver o ritmo de crescimento das células. Quando chegam à quantidade suficiente, elas são congeladas, como no caso de Babu.

© Espaço Mulher DF - 2013 - Todos os direitos reservados.
imagem-logo