PCDF lança programa de combate ao comércio ilegal de celulares

Shutterstock

O crescimento do número dos roubos e furtos de aparelhos celulares é uma realidade em todo o País, com forte incremento nos índices de criminalidade. Estudos mostram que, em 2017, nos roubos a transeuntes no Distrito Federal, em pelo menos 74% das ocorrências houve a subtração do telefone móvel.

“A prática só é possível em razão de uma associação que envolve criminosos que subtraem os celulares das pessoas, outros que buscam capturar as senhas dos smartphones das vítimas e, por fim, aqueles que revendem ilegalmente esses aparelhos a preços mais baixos que os praticados pelo mercado, inclusive em estabelecimentos comerciais”, informou a Polícia Civil.

A fim de combater essa prática crescente, a corporação, por intermédio do Departamento de Inteligência e Gestão da Informação (DGI/PCDF), desenvolveu o “Fora da Rede”, um projeto voltado para conscientizar a população, incluindo orientações para o bloqueio de celulares que tenham sido furtados ou roubados, consultas à base nacional de aparelhos irregulares e canal exclusivo para denúncias de criminosos envolvidos nessa modalidade criminosa.

O Diretor do DGI, George Couto, explica que os bloqueios de celulares furtados ou roubados são realizados em parceria com a Anatel e podem ser solicitados em qualquer Delegacia de Polícia do Distrito Federal durante o registro da ocorrência policial. O prazo para solicitação é de até 30 dias após a data em que ocorreu o fato. Depois da solicitação, o processo de conclusão do bloqueio leva em média 24 horas, caso os dados tenham sido corretamente fornecidos.

Registro pela internet

Quando a pessoa for vítima especificamente de furto de celular, poderá fazer todo o registro diretamente no endereço da DP Eletrônica: http://delegaciaeletronica.pcdf.df.gov.br

Bloqueio da linha telefônica

É importante frisar que esse processo serve apenas para bloqueio do aparelho subtraído. Para o bloqueio da linha telefônica, o usuário deverá entrar em contato com a operadora telefônica.

Caso o aparelho seja encontrado ou recuperado, é possível solicitar o desbloqueio. Para tanto, o comunicante/proprietário do celular deverá fazer o pedido na delegacia.

Investigações Policiais

O Diretor do DGI esclarece que o bloqueio não irá interromper as investigações policiais para elucidação dos crimes que originaram o bloqueio. “O objetivo da medida é identificar todos os responsáveis por essa modalidade criminosa, desde aqueles que abordam as vítimas aos que tentam recolocar ilegalmente os aparelhos em circulação”, explica.

O Delegado alerta, ainda, sobre os cuidados que as pessoas devem ter ao adquirir celulares usados, consultando o histórico do aparelho e evitando a aquisição daqueles de origem duvidosa ou por valores muito abaixo do preço de mercado. “Esses aparelhos podem ser produto de crime e não se descarta análise de eventual crime de receptação”, conclui.

Jornal de Brasília

© Espaço Mulher DF - 2013 - Todos os direitos reservados.