João de Deus é denunciado pela segunda vez por crimes sexuais

A nova denúncia envolve 13 vítimas de sete estados e do DF. Ele responderá por estupro de vulnerável e violência sexual mediante fraude

O Ministério Público de Goiás (MPGO) ofereceu nesta terça-feira (15/1) a segunda denúncia contra João Teixeira de Faria, o João de Deus, por crimes sexuais. A nova acusação abrange o testemunho de 13 vítimas de Goiás, Rio de Janeiro, Santa Catarina, São Paulo, Maranhão, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e do Distrito Federal. O médium responderá pelos crimes de estupro de vulnerável e violência sexual mediante fraude.

Cinco casos estão prescritos, mas as mulheres farão parte do processo como testemunhas a fim de reforçar a forma de agir do médium. Segundo os promotores, em entrevista coletiva realizada na manhã desta terça, os casos aconteceram entre 1990 e 2018, quando as vítimas tinham entre 8 e 47 anos, na época dos fatos. Das cinco denúncias por crimes com validade judicial, quatro são de Goiás e uma de São Paulo.

Na denúncia foi apresentado, também, um novo pedido de prisão de João de Deus. A medida, segundo os promotores, visa preservar a integridade física e psicológica das vítimas, bem como evitar qualquer tipo de intimidação e represália, inclusive espiritual. Entre as provas juntadas, estão relatos, testemunhos, fotos, documentos, presentes e comprovantes de recebimento em espécie de benesses.

Até 10 de janeiro, o MPGO recebeu 688 contatos, tendo sido identificadas mais de 300 vítimas. “O trabalho da força-tarefa não se encerrou, temos uma série de relatos instruídos e oitivas já agendadas. Separamos os depoimentos em blocos e estamos analisando caso a caso aqueles que precisam de provas adicionais, mesmo nas ocorrências em que os crimes já estejam prescritos”, afirmou o coordenador do Centro de Apoio Operacional Criminal, Luciano Meireles.

Também participaram da coletiva os promotores Gabriella de Queiroz, Paula Moraes e Augusto César Souza. O e-mail da força-tarefa é denuncias@mpgo.mp.br. (Com informações do Ministério Público de Goiás)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Espaço Mulher DF - 2013 - Todos os direitos reservados.