Essa é uma busca constante, você tenta encontrar alguém que seja sua outra metade, o seu par perfeito.

Você sofre inúmeras desilusões mas acha que isso acontece porque ainda não encontrou a “pessoa certa", a outra metade da laranja.

Não importa com quem você vai se relacionar, você vai projetar todos os seus problemas na outra pessoa. No começo do relacionamento ninguém faz isso. A dependência emocional fica escondida por um período.

No começo tudo parece bem, com o tempo as coisas explodem, não tem como esconder pra sempre.

E aí, explodem ciúmes, insegurança, necessidade de controle, brigas, medo de perder, chantagem emocional, manipulação, competição, traições...

Nossa autoestima é afetada ao longo da vida por diversos eventos que nos fazem sentir rejeição, culpa e abandono. 

Esses sentimentos acumulados levam você à uma sensação de autodesvalorização, autorrejeição, vitimização, autodestruição, e você vai buscar alguém fora que possa suprir essa insatisfação interior para se sentir bem.

Você é o grande amor da sua vida

Por falta de autoconhecimento, você inverte a prioridade e vai buscar fora o que pode dar a si mesmo: aceitação, aprovação e reconhecimento.

Quanto melhor a sua autoestima, melhor o seu relacionamento consigo mesmo, quanto melhor você se relacionar consigo mesmo, melhor vai se relacionar com outras pessoas. 

Quanto maior a sua autoestima, mais você conseguirá atrair uma pessoa interessante para se relacionar e construir um relacionamento saudável e duradouro.

Não adianta somente saber disso intelectualmente.

É preciso sentir esse amor por si mesmo.

E isso só é possível à medida que você vai tratando os eventos emocionais da autoestima (culpa, rejeição, abandono).


ADRIANO RIBEIRO