Além deles, mais 15 mil com comorbidade e 34 mil profissionais da educação pública serão imunizados. Agendamento começa amanhã.
Agencia Brasilia

Em duas semanas, o GDF reduziu em cinco anos a faixa etária para a imunização contra a covid-19. Está aberto, a partir de 14h desta sexta-feira (11), o agendamento para pessoas com 55 anos ou mais sem comorbidades. Em torno de 65 mil doses estarão disponíveis para este público. O agendamento poderá ser feito no site vacina.saude.df.gov.br.

A vacinação para essas pessoas começa na próxima segunda-feira (14). No agendamento, é possível escolher a data, local e horário para ser atendido. A Secretaria de Saúde também anunciou a destinação de mais doses para outros grupos prioritários que serão vacinados entre os dias 14 e 18 de junho.Vacinas da Janssen, do grupo Johnson & Johnson, devem chegar ao Distrito Federal entre domingo (13) e terça (15), anunciaram os secretários |Foto: Joel Rodrigues/Agência Brasília

Em coletiva de imprensa na tarde desta quinta-feira (10) no Palácio do Buriti, os secretários de Saúde, Osnei Okumoto, e o da Casa Civil, Gustavo Rocha, anunciaram que as doses destinadas para a nova faixa etária estão entre as 120 mil destacadas pela Secretaria de Saúde, dentre as já disponíveis na rede de frio e outras que vão chegar até a semana que vem. “A Secretaria de Saúde está fazendo um remanejamento das doses para dar um dinamismo maior à vacinação, reduzir com mais velocidade a idade, encampar outras categorias profissionais ou finalizar aquelas que já começaram”, explicou Gustavo Rocha.


Além das pessoas acima de 55 anos, serão vacinados mais 500 servidores do Ministério da Saúde, 256 da Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa), 2 mil moradores de rua, mil aeroportuários, 5 mil rodoviários, 500 trabalhadores da assistência social, 3,6 mil para as Forças Armadas, 10 mil pessoas com comorbidades, 5 mil deficientes sem o BCP, 8 mil para a segurança pública, e 34 mil profissionais da educação pública.

Vacinação no fim de semana

A vacinação contra a covid-19 para os profissionais de creches continua neste final de semana com a aplicação da AstraZeneca. Serão quatro pontos na modalidade drive-thru no Sesc de Ceilândia, na Torre de TV, no Taguaparque e no estacionamento 12 do Parque da Cidade. Foram separadas mil doses para cada um deles no sábado e o mesmo quantitativo no domingo.

Na semana que vem, todas as vacinas destinadas para os funcionários das escolas serão as da Janssen, empresa do grupo Johnson & Johnson, que devem chegar ao DF entre domingo (13) e terça-feira (15). A imunização com esta vacina ocorre em apenas uma dose e o objetivo é que todos os profissionais da rede pública sejam vacinados para o retorno das aulas presenciais em agosto. Como as doses vencem em 27 de junho, as pastas de Saúde e de Educação montarão uma “operação de guerra” para aplicar as vacinas antes da data de vencimento, com prazos estipulados para o fim da imunização.
De acordo com Gustavo Rocha, a expectativa era vacinar 24 mil pessoas com 58 e 59 anos e 23.467 já estão agendadas, quase que a integralidade

“Nenhuma vacina vai vencer. Eu peço para que os profissionais da educação compareçam aos postos de vacinação imediatamente depois da chegada das vacinas. Caso tenha alguma sobra, a vacina será destinada para outros públicos“, avisou o secretário da Casa Civil. Segundo ele, o secretário de Educação, Leandro Cruz, vai encaminhar uma lista com o nome dos profissionais por cada escola para que a Secretaria de Saúde possa definir os postos de vacinação.

Agendamento

Durante a conversa com os jornalistas, os gestores também destacaram o número de agendamentos e o aumento da busca pela imunização. De acordo com Gustavo Rocha, a expectativa era vacinar 24 mil pessoas com 58 e 59 anos e 23.467 já estão agendadas, quase que a integralidade. O mesmo acontece entre o público com comorbidades. Das 273.478 pessoas previstas para serem vacinadas, 209.727 já foram agendadas O GDF tem cadastradas 4.532 pessoas com deficiência sem o BPC e 3.826 delas já foram agendadas.

Acompanhe a coletiva:

Osnei Okumoto destacou que, todas as análises do último sequenciamento genômico, realizado pela equipe de Biologia Molecular do Laboratório Central de Saúde Pública do Distrito Federal (Lacen), com 92 amostras, tiveram resultado para a cepa P1, conhecida como a variante brasileira com primeiros casos registrados em Manaus. Segundo ele, desde janeiro, foram 490 testes feitos principalmente em casos de reinfecção, óbitos e pacientes graves.

O secretário de Saúde também disse que 12% das vacinas aplicadas até agora no DF, ou 125 mil doses, foram para pacientes de outros estados. Os gestores também defenderam a estratégia da Secretaria de Saúde de não aplicar como D1 as doses enviadas pelo Ministério da Saúde destinadas a D2. E lembraram que, pacientes que tomaram a primeira dose em outros estados, não receberão a segunda dose no DF. “Ao apresentarem o cartão de vacinação de outro estado a segunda dose não será aplicada. Se você toma a primeira em outro estado e busca a segunda aqui, vai estar pegando a dose de outra pessoa que vacinou aqui”, explicou Gustavo Rocha.