Até o momento da publicação desta reportagem, 85 pacientes aguardam leito de UTI na capital. Desse total, 13 são pessoas com suspeita ou confirmação de Covid-19.

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Nesta segunda-feira (7), a taxa de ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) está em 92,72% nos hospitais públicos do DF. Isso porque quinze leitos estão vagos, de acordo com a última atualização do InfoSaúde-DF, feita às 08h25. Das vagas disponíveis, apenas quatro são para pacientes adultos.

A situação nos hospitais particulares é um pouco melhor e segue na estabilidade. A taxa de ocupação dos leitos de UTI gerais está em 88,92%. As UTIs Covid-19 permanecem com 86,40%. Trinta e cinco leitos estão disponíveis, todos para pacientes adultos.
Lista de Espera

Até o momento da publicação desta reportagem, 85 pacientes aguardam leito de UTI na capital. Desse total, 13 são pessoas com suspeita ou confirmação de Covid-19.

Vacinação na Capital

De acordo com o último boletim informativo, o DF tem 685.902 vacinados da primeira dose e mais 328.667 pessoas que levaram a segunda dose. Nas últimas 24h foram 2.630 vacinados da primeira dose e 47 da segunda dose.

A vacinação contra a Covid-19 começou no Distrito Federal no dia 19 de janeiro. Já foram recebidas 612.960 doses da vacina CoronaVac, que é produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac. Além das 660.650 doses da vacina Covishield, desenvolvida pela universidade inglesa de Oxford, com a farmacêutica sueco-britânica AstraZeneca e 46.890 da Pfizer.
Covid-19 no DF

Nas últimas 24 horas, foram notificados 1.028 novos casos. Desde o início da pandemia, 411.087 pessoas se infectaram, de forma que 393.851(95,8%) se recuperaram 8.800(2,1%) faleceram.

O Índice de transmissibilidade, porém, apresentou um aumento de 1,01. Vale lembrar que, acima de 1, a taxa indica que a pandemia está tendendo a avanços. Em momento mais crítico da pandemia, o índice chegou a 1,38.

As regiões com mais casos confirmados são Ceilândia (45.703), Plano Piloto (39.345) e Taguatinga (32.736). A maior taxa de mortalidade pertence a Planaltina, onde dos 14.699 casos, 457 faleceram, ou seja, 3,1%. O segundo lugar está empatado entre Ceilândia (3%), com 45.703 casos e 1.388, e Recanto das Emas (3%), com 10.166 casos e 304 óbitos.

Fonte: Jornal de Brasília