Cidades Limpas fica no Recanto das Emas até 4 de agosto

Mais de 300 trabalhadores de 15 órgãos diferentes estarão envolvidos nas ações de manutenção e limpeza.

A 19ª edição do programa Cidades Limpas começou nesta segunda-feira (24). Desta vez, a força-tarefa do governo de Brasília atuará, até 4 de agosto, no Recanto das Emas, que completa 24 anos na sexta.Tapa-buraco foi uma das ações desta manhã (24) no Recanto das Emas, pelo programa Cidades Limpas. Foto: Dênio Simões/Agência Brasília

“A manutenção da cidade é feita permanentemente pelas equipes da administração regional. As duas semanas aqui são para fazer um grande mutirão, para que a gente possa deixar o local melhor ainda”, explicou o secretário das Cidades, Marcos Dantas, durante o lançamento da operação, na manhã de hoje.

As ações são coordenadas pela pasta. Entre as atividades programadas estão poda de árvores, capina e roçagem de áreas verdes, remoção de entulho de áreas públicas, tapa-buracos e recolhimento de carcaças de veículos abandonados em vias públicas.

Estão previstas ainda a recuperação de sinalização de trânsito, a revitalização da iluminação pública e o manejo ambiental para o combate ao mosquito Aedes aegypti — transmissor da dengue, da chikungunya e do zika vírus.

Ações como a do programa Cidades Limpas têm ajudado a reduzir os índices das doenças causadas pelo inseto. De acordo com o Informativo Epidemiológico nº 28, divulgado na quinta-feira (20), houve queda de 79,88% no número de casos prováveis de dengue no DF até a primeira quinzena de julho, se comparado com o mesmo período do ano passado.

Para promover uma melhoria imediata no ambiente urbano, estarão envolvidos nas ações 308 trabalhadores, de 15 órgãos públicos diferentes.

Lançado em novembro de 2016, o Cidades Limpas já passou pelos seguintes locais: Gama, Itapoã, Paranoá, Estrutural, Planaltina, São Sebastião, Brazlândia (duas vezes), Ceilândia (duas vezes), Guará, Santa Maria, Sobradinho, Sobradinho II, Fercal, Vila Planalto, Samambaia, Taguatinga e Riacho Fundo I.



Política de dados abertos é instituída no DF

Assinatura eletrônica do governador Rodrigo Rollemberg foi feita na cerimônia de comemoração de 1 milhão de documentos processados pelo Sistema Eletrônico de Informações, nesta segunda (24).

Em encontro feito para comemorar 1 milhão de documentos processados pelo Sistema Eletrônico de Informações (SEI), o governador Rodrigo Rollemberg usou o computador para assinar o decreto que institui a política de dados abertos no Distrito Federal.Assinatura eletrônica do governador Rodrigo Rollemberg foi feita na cerimônia de comemoração de 1 milhão de documentos processados pelo Sistema Eletrônico de Informações , nesta segunda (24). Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília

A cerimônia Café Hacker ocorreu na Residência Oficial de Águas Claras na manhã desta segunda-feira (24).

O documento representa mais uma ação do governo de Brasília para garantir a publicidade dos atos públicos. Além das informações do Portal da Transparência e do Siga Brasília, quem quiser saber mais sobre ações do Executivo local terá acesso à base de dados da administração pública.
“Investimos no nosso datacenter, trouxemos a Campus Party e queremos implementar o Biotic — Parque Tecnológico”Rodrigo Rollemberg, governador de Brasília

“Quando assumimos o governo, ficamos espantados com o atraso tecnológico da administração pública no DF. Por isso, investimos no nosso datacenter, trouxemos a Campus Party e queremos implementar o Biotic — Parque Tecnológico”, disse Rollemberg.

“Toda vez que damos mais transparência, podemos identificar mazelas de muitos anos acumuladas no serviço público.”

A política de dados abertos é um desdobramento da Open Government Partnership (Parceria de Governos Abertos, em tradução literal), iniciativa de 2011 com oito países signatários — entre eles, o Brasil.
SEI chega a 1 milhão de documentos processados

Vinte e três órgãos do governo de Brasília estão 100% informatizados. A meta é chegar a 33 em 2017 — o que inclui as Secretarias de Educação e de Saúde e, portanto, a maior parte do Executivo local — e todos os 89 até o fim de 2018. O SEI já processou 1.032.144 documentos.

A marca de 1 milhão foi atingida na semana passada. Coube ao servidor Welkson Isidoro do Nascimento, do Instituto Brasília Ambiental (Ibram), o milionésimo documento. “Economiza-se, além de papel, com combustível e motorista, que levava os documentos físicos”, observou a secretária de Planejamento, Orçamento e Gestão, Leany Lemos.

Entre as unidades que já adotaram a plataforma, o Corpo de Bombeiros Militar apresentou 80% de economia com consumo de papel — esse percentual está em 67% no Ibram, 52% na Secretaria de Planejamento e 40% na Secretaria de Fazenda. A Casa Militar reduziu em 32% os gastos com impressões.

E foi assim, pelo Sistema Eletrônico de Informações, que Rollemberg assinou o Decreto nº 38.354 para instituir a política de dados abertos no DF.
Hackathon Inova Brasília: soluções para governo e população por aplicativos

Citada pelo governador, a Campus Party pautou parte do Café Hacker. Os 1º, 2º e 3º colocados do Hackathon Inova Brasília — competição promovida pelo governo na feira de inovação —, assim como aqueles que levaram menção honrosa, apresentaram os trabalhos na Residência Oficial de Águas Claras.O campeão foi o Matrícul@ SEDF, que automatiza o processo de telematrículas. A equipe desenvolvedora negocia com a Secretaria de Educação para implementar a ferramenta. Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília

O campeão foi o Matrícul@ SEDF, que automatiza o processo de telematrículas. A equipe desenvolvedora negocia com a Secretaria de Educação para implementar a ferramenta para identificar pelo CEP onde há as maiores demandas por vagas.

A segunda colocação ficou com o Salvaguarda, aplicativo pelo qual a população responde um questionário sobre o quão seguro se sente naquele lugar. A ferramenta funcionará por georreferenciamento para permitir aos gestores da Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social saber para onde direcionar o efetivo.

Há ainda o terceiro lugar, do GoByBus, pelo qual o passageiro do transporte público marca uma rota para saber quando passa o próximo ônibus.

A menção honrosa ficou para o Alerta Para Mulheres, espécie de botão do pânico que envia dados e localidade da denunciante à Central Integrada de Atendimento e Despacho. O aplicativo será gratuito para o governo.

Todos esses aplicativos terão melhor funcionalidade com a abertura dos dados da administração pública. “Esse tipo de atuação em parceria é essencial. Se for somente pelo governo, é necessário fazer projeto básico, abrir licitação e ter um ano de espera. Vamos abrir a base de dados para que o cidadão nos ajude a melhorar os serviços”, disse o controlador-geral do DF, Henrique Ziller.

A Campus Party reuniu, em junho, cerca de 5 mil pessoas no Centro de Convenções Ulysses Guimarães. A expectativa para a próxima edição, em 2018, é de 8 mil. “Queremos levar o evento para o Estádio Nacional Mané Garrincha”, disse o secretário adjunto do Trabalho, Thiago Jarjour.

PSB inicia congressos e se fortalece através de líderes populares dentro do MPS sob a liderança de Acilino Ribeiro

Com os congressos zonais no DF marcados para os dias 12 e 13 de agosto próximo e o distrital para o dia 16 de setembro vindouro o PSB do DF iniciou esta semana a realização dos congressos dos Segmentos Sociais, que atuam e desenvolvem as políticas do PSB no Movimentos sindical, de juventude, mulheres, negritude, LGBT e o maior deles, que praticamente hegemoniza e é uma espécie de vanguarda do Partido Socialista Brasileiro, o MPS – Movimento Popular Socialista, liderado no Distrito Federal pelo advogado Acilino Ribeiro. Um ex-guerrilheiro e antigo militante da esquerda revolucionária brasileira, hoje subsecretário de Movimentos Sociais e Participação Popular do governo Rollemberg, e é considerado um ícone da esquerda e os setores progressistas tanto do PSB como de outros partidos.

Os demais segmentos ainda não conseguiram marcar seus congressos zonais pois aguardam a realização dos congressos do PSB para realizarem de forma conjunta e assim se aproximarem mais das zonais, enquanto o MPS saiu a frente e já realizou somente neste final de semana, dias 22 e 23, sábado e domingo, sete (07) congressos zonais, nas cidades de Sobradinho; Planaltina; Paranoá\Lago Norte; Samambaia; São Sebastiao, Recanto das Emas e Gama\Santa Maria, onde foram eleitas as Coordenações e os respectivos secretários zonais, com assento nas Executivas do PSB local. Além de terem sido eleitos os delegados junto ao congresso distrital. Todos extremamente comprometidos com as teses políticas apresentadas por Acilino Ribeiro, que tem incentivado e defendido posições mais a esquerda e renovadoras dentro do partido. Ele tem comparecido pessoalmente a todos os congressos. 

Algumas já aprovadas e que revolucionam o PSB é a paridade de gênero com a divisão meio a meio na ocupação de cargos de direção entre homens e mulheres, apesar da lei garantir apenas trinta por cento. Outra tese aprovada é a de carência partidária, em que será exigido um tempo de carência ao novo filiado que só poderá ocupar cargo de direção após ter feito cursos de formação política e de integração partidária. E uma outra é a proibição de mais de uma reeleição aos cargos de direção dos segmentos sociais, para que aconteça uma renovação e simultaneamente uma oxigenação política dentro do partido. Dentre diversas outras teses apresentadas pela própria militância. 

Também foram eleitos os delegados junto ao Congresso Distrital do MPS\PSB que por sua vez elegerão a Coordenação Executiva para o DF e os delegados junto ao Congresso Nacional do MPS que se realizará em outubro próximo. Cada zonal elegeu conforme o número de participantes, sendo no mínimo três delegados por zonal eleitoral. 

O MPS, considerado o maior de todos os segmentos do partido e também a principal base de apoio social do governo Rodrigo Rollemberg atua e coordena as ações do PSB junto aos movimentos sociais, comunitário, ambiental, cultural, esportivo, de idosos, defesa do consumidor, dentre diversos outros setores sociais e subsegmentos, e tem no subsecretário Acilino Ribeiro seu principal expoente, considerado uma espécie de ideólogo do segmento. No entanto conta também com diversas outras lideranças sociais de sem terras, sem tetos, lideranças e dirigentes de vários movimentos sociais nas áreas acima citadas. E dentro do governo ocupa diversos espaços também através de dirigentes como o novo secretário de Ciência e Tecnologia, Tiago Coelho, do ex-presidente da Terracap, Alexandre Navarro, e vários outros quadros políticos e lideranças populares. 

Os congressos zonais que faltam realizar acontecerão todos nos próximos finais de semana e contarão com a presença pessoal do Coordenador Distrital do MPS, Acilino Ribeiro e vários outros dirigentes. E na oportunidade da realização dos congressos serão debatidas as teses apresentadas pelos militantes e que serão deliberadas no congresso distrital para serem levadas ao congresso nacional. 

O MPS tem no Distrito Federal mais de quinhentos (500) militantes dentre os mais de dois mil filiados do PSB no DF e busca construir uma alternativa pela esquerda junto e dentro dos movimentos populares na capital Federal. É também o segmento mais assediado pelos candidatos as eleições de 2018, pois dispõe dos principais líderes populares e um grande poder de mobilização por ter a militância mais aguerrida e formada dentro do PSB, através de cursos de Formação Política coordenados pelo próprio Acilino Ribeiro, que em suas pregações enfatiza bem a necessidade do trabalho de base e da formação de Quadros para a luta de massa desenvolvida pela militância do PSB. 

Por Paula Grugher e Gisele Belle

Congresso Zonais realizados em:
SOBRADINHO DF
PLANALTINA DF,
PARANOÁ \ LAGO NORTE DF 
SAMAMBAIA DF
SÃO SEBASTIÃO DF  
RECANTO DAS EMAS DF
GAMA e SANTA MARIA DF 





























Aliados de Alckmin rebatem petista: “Lugar de Lula é na cadeia”

As declarações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado a nove anos emeio de cadeia por corrupção, afirmando durante entrevista que o governador de São Paulo Geraldo Alckmin “parece que mamou até os 14 anos e empinou pipa em frente ao ventilador”, não ficaram sem resposta do PSDB.

Um dia após o próprio governador retrucar os ataques de Lula, dizendo que não tinha “R$ 9 milhões depositados para aposentadoria” e que “riquinho não era ele”, alguns de seus aliados, especialmente da ala mais jovem do partido, subiram o tom nas críticas ao petista.

Para o deputado estadual Ramalho da Construção (SP), o ex-presidente Lula seria “uma farsa”.

“Lula se acostumou tanto a mentir que hoje acredita na própria mentira. Ele sempre se apresentou como uma pessoa humilde, como um representante dos pobres que vinha para lutar contra a corrupção. Hoje vemos ele com milhões depositados. Ficou rico. E não foi trabalhando que ficou rico”, afirmou o deputado, que também é presidente nacional do PSDB Sindical.


O jovem prefeito da cidade paulista de Lins, Edgar de Souza, também foi bastante incisivo na defesa do governador de São Paulo.

“Enquanto Alckmin sempre trabalhou para se sustentar, e ainda hoje leva uma vida modesta e honesta, Lula sempre parasitou no sangue dos trabalhadores e assim fez uma fortuna que mostra bem quem é a tal elite atrasada que ele mesmo tanto fala”, desabafa Edgar de Souza

Para o tucano, que deve se candidatar a deputado estadual nas eleições de 2018, Lula seria um falastrão. “Mas ele pode falar o que quiser que os fatos o desmentem”, declarou.

Vereador mais votado da história de Pindamonhagaba, terra natal do governador paulista, Rafael Goffi foi um dos que também se manifestaram a favor de Alckmin. Segundo ele, Lula seria “tão sujo que tenta denegrir a imagem de todos, para que pareçam farinha do mesmo saco”.

“Nosso governador Alckmin sempre foi exemplo de ética e de trabalho. Nunca precisou cometer qualquer tipo de crime para se dar bem, muito menos para ficar milionário. Trabalhou a vida toda e sempre valorizou a família, sendo exemplo para todos, já Lula, se tornou exemplo de corrupção e malandragem. Agora vem à tona uma parte do patrimônio milionário que ele possui e esconde de todos”, destacou Goffi, que é pré-candidato a deputado federal.

Ainda segundo o vereador, “o lugar do Lula é na cadeia, do Geraldo Alckmin, na Presidência do Brasil”.

Outro aliado do governador paulista a responder ao ex-presidente Lula foi Saulo Batista (PSDB-DF), para quem os ataques ao governador expressam o desespero do presidente Lula e do PT.

“Diante de sua condenação na justiça, tanto o Lula quanto o PT tem demonstrado certo desespero com a possibilidade do ex-presidente se tornar inelegível. E não tem a ver apenas com o enquadramento do Lula na ‘Lei da Ficha Limpa’, mas com o fim do ‘mito Lula’. A decisão judicial decorre do comprovado envolvimento de Lula em crimes graves, como corrupção e lavagem de dinheiro, os quais podem, sim, leva-lo inclusive para a cadeia. É o atestado de falsidade da versão segundo a qual ‘Lula nada sabia’, tão repetida pelo PT e seus satélites. Ele sabia. Sabia e participava do esquema de corrupção”, ressaltou o tucano.

Para Saulo Batista, “considerando o cada vez maior número de acusações que pesam sobre ele, as quais já lhe renderam a primeira condenação de outras que ainda virão, o juízo de valor do ex-presidente Lula é um que não se deve dar importância maior do que as demais bravatas eleitoreiras que ele se habituou a repetir”.

“O Geraldo (Alckmin) fez bem em lembrar que a verdade é exatamente o oposto daquilo que insinuou Lula. Enquanto o governador tem origem humilde e ainda hoje vive uma vida condizente com os rendimentos do seu trabalho, a atuação do Ministério Público e da Polícia Federal vem demonstrando que no governo do ex-presidente Lula se verificou não apenas o enriquecimento dele próprio, mas de seus companheiros de partido, aliados, filhos, sobrinho, irmão e até uma amante. Um enriquecimento criminoso, às custas do dinheiro dos nossos impostos”, disse Saulo Batista, também cotado para disputar uma vaga na Câmara Federal em 2018.

Jardim Botânico mantém banco de sementes de espécies do Cerrado

Trabalho começa na coleta de frutos na natureza e pode ajudar a recuperar áreas degradadas do bioma.

Sementes coletadas no Distrito Federal foram enviadas ao Jardim Botânico de Jundiaí há dois anos com a missão de ajudar na recuperação do Cerrado no município de São Paulo.Há cerca de 30 espécies catalogadas no banco de sementes do Jardim Botânico. A diretora de Fitologia, Priscila Oliveira, explica que o cuidado visa minimizar os efeitos da natural perda da capacidade de germinação. Foto: Tony Winston/Agência Brasília

Esse tipo de socorro não é exceção e só foi possível graças ao banco de sementes que o Jardim Botânico de Brasília mantém desde 2015. Há cerca de 30 espécies catalogadas. Porém, mais de 60 já integraram a lista.

A equipe responsável atualiza a oferta com frequência, conforme coletam na natureza. A diretora de Fitologia da instituição, Priscila Oliveira, explica que o cuidado visa minimizar os efeitos da natural perda da capacidade de germinação das sementes depois de um determinado tempo.

Para aumentar a durabilidade, o material é mantido em uma câmara fria, a uma temperatura que varia de 16 a 18 graus. “Isso mantém essa semente dormente e a faz não perder a vitalidade tão rápido como se estivesse na natureza”, esclarece a diretora. A medida garante que elas durem de um a quatro anos, a depender da espécie.
"Costumamos coletar uma quantidade pequena, que sabemos que não vai fazer falta na natureza"Priscila Oliveira, diretora de Fitologia do Jardim Botânico de Brasília

O trabalho para manter o catálogo começa com a coleta de frutos, principalmente dentro da Estação Ecológica Jardim Botânico de Brasília, que tem 4,5 mil hectares destinados à conservação do Cerrado.

A quantidade da amostra é avaliada pelos servidores. “Costumamos coletar uma quantidade pequena, que sabemos que não vai fazer falta na natureza”, destaca a diretora de Fitologia.

O objetivo do banco em Brasília é manter o material nativo do bioma e ainda mostrar o que a estação abriga. Priscila conta que a decisão de focar em espécies daqui foi com base no estudo de índices de jardins de outras partes do País, que já abrigam espécies exóticas, por exemplo, e distintas. “A gente vê que tem umas espécies difíceis de coletar e armazenar. Então, as procuramos.”

As trocas de sementes podem ser nacionais ou internacionais. Se for o segundo caso, é preciso que haja autorização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Depois da coleta, que ocorre em época seca, os frutos passam por triagem e ficam em observação até que abram naturalmente e soltem as sementes. Isso para que elas sejam retiradas quando forem viáveis para germinação.

O material, então, é limpo, de maneira que só as sementes sejam guardadas em vidros ou sacos de papel, na câmara fria. Toda amostra recebe uma etiqueta com dados resumidos como a designação científica, o nome comum e um código de inscrição.

“Esse número é muito importante para a gente, pois é a identificação no banco de dados”, detalha a servidora do Jardim Botânico de Brasília. Já no sistema, ainda há o detalhamento da localização geográfica da matriz onde os frutos foram colhidos.

Entidade que organiza a Festa do Morango completa 40 anos

Governador Rollemberg participou da solenidade de aniversário da Associação Cultural Alexandre de Gusmão.

Uma das principais entidades representativas da cultura japonesa no Distrito Federal, a Associação Rural e Cultural Alexandre de Gusmão completou 40 anos.Governador Rollemberg participou da solenidade de aniversário da Associação Cultural Alexandre de Gusmão. Foto: Tony Winston /Agência Brasília

Organizada na sede da associação, no Incra 6, em Brazlândia, a comemoração do aniversário ocorreu na noite deste sábado (22), com a presença do governador Rodrigo Rollemberg.

Produtores rurais japoneses e descendentes participaram da cerimônia. Rollemberg destacou a incorporação de aspectos da cultura oriental no País e lembrou que 2018 marca os 110 anos da imigração nipônica para o Brasil e 60 anos da chegada dos imigrantes ao DF.

“Logo quando cheguei ao DF, em 1960, minha família teve contato com uma família de pioneiros japoneses, os Onoyama. Lembro que um deles disse: ‘clima bom! terra, a gente faz'”, relatou. “Desde então, a contribuição tem sido imensa, especialmente na agricultura.”
"Lembro que um deles (imigrante japonês) disse: clima bom! terra, a gente faz. Desde então, a contribuição tem sido imensa"Rodrigo Rollemberg, governador de Brasília

A Associação Rural e Cultural Alexandre de Gusmão promove atividades culturais, esportivas e sociais voltadas à colônia japonesa.
Contribuição para o DF

Desde o ano de fundação, a entidade teve a agricultura como ponto forte. “A associação idealizou a Festa do Morango há 21 anos. Desde 2001, faz parte do calendário oficial de eventos do DF”, discursou o presidente da entidade, Takao Akaoka.

Uma das principais atividades de Brazlândia, a Festa do Morango atrai em média 100 mil pessoas por edição. É organizada pela entidade em parceria com a Secretaria da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural e a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do DF (Emater-DF).

A fundação ainda organiza a Festa da Goiaba, também em Brazlândia. Similar à do morango, mas ainda sem a mesma dimensão, o evento existe há dois anos.

Rollemberg inaugura a Avenida das Palmeiras, no Sol Nascente

Via recebeu 1,2 km de pavimentação e 2,4 Km de meios-fios. Também foi executado 1,2 km de drenagem para escoamento das águas pluviais.

O governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, inaugurou a Avenida das Palmeiras, principal via do Sol Nascente, em Ceilândia, neste sábado (22). A solenidade ocorreu no primeiro arraial da região, feito pela comunidade em parceria com o Executivo local.O governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, inaugurou a Avenida das Palmeiras, principal via do Sol Nascente, em Ceilândia, neste sábado (22). Foto: Tony Winston/Agência Brasília

Situada no Trecho 1 do Sol Nascente, a Avenida das Palmeiras recebeu, nesta gestão, 1,2 quilômetro em obras de pavimentação asfáltica e 2,4 quilômetros de meios-fios. Também foi executado 1,2 quilômetro de drenagem para o escoamento das águas pluviais.

Os trabalhos começaram no segundo semestre de 2015 e terminaram na segunda metade de 2016. “Quando iniciamos a gestão, essa área ficava cheia de lama na chuva e de poeira na seca. Agora tem rede de esgoto, de águas pluviais, asfaltamento, e uma unidade básica de saúde está em construção“, lembrou Rollemberg.

O governador ainda ressaltou que as obras prosseguem nos três trechos do Sol Nascente, assim como no Condomínio Porto Rico, na Vila Buritizinho e em Vicente Pires. “Aos poucos transformamos o DF em um lugar melhor para se viver.”
"Aos poucos transformamos o DF em um lugar melhor para se viver"Rodrigo Rollemberg, governador de Brasília

A festa contou com trios de forró, quadrilha, barraquinhas com comidas típicas, bingo e apresentação do grupo Ser criança, com o tema Sustentabilidade — lixo.

A Companhia de Desenvolvimento Habitacional do DF (Codhab) e a Administração Regional de Ceilândia promoveram o evento junto à comunidade.

Morador da Avenida das Palmeiras, o motorista Risonaldo da Silva Santos, de 40 anos, acompanhou a festa da frente de sua casa. “Moro há 13 anos aqui, e até quatro anos atrás não tinha nada. Minha vida melhorou 100%, especialmente depois de 2015”, afirmou.

Até quem vive há menos tempo no local nota as mudanças. Um exemplo é a gerente de vendas de uma rede de cosméticos Elisângela Maria Amaral, de 38 anos, que reside há pouco mais de dois anos no Sol Nascente. “As ruas eram lama e buraco, o esgoto ficava a céu aberto e os muros, sem cor. Agora tá bonito e com estrutura”, comparou.
Obras de infraestrutura nos três trechos do Sol Nascente

As obras no Trecho 1 tiveram início em fevereiro de 2015. São 25,2 quilômetros de redes de drenagem, construção de cinco lagoas de retenção e pavimentação de 304,9 mil metros quadrados de vias, correspondentes a 44 quilômetros de comprimento por 7 metros de largura.
"As ruas eram lama e buraco, o esgoto ficava a céu aberto e os muros, sem cor. Agora tá bonito e com estrutura"Elisângela Maria Amaral, gerente de vendas

Até agora, 60% das obras de drenagem, pavimentação e meios-fios do Trecho 1 estão executadas. As bacias de drenagem 5, 6, 7 e 8 estão em construção.

A previsão é que as intervenções — que tiveram investimento de R$ 58,8 milhões, provenientes da Caixa Econômica Federal e contrapartida do governo de Brasília — fiquem prontas até o fim de 2017.

No Trecho 2, o trabalho engloba execução de 30,3 quilômetros de redes de drenagem, construção de três lagoas de retenção e pavimentação de 493,5 mil metros quadrados de vias, o equivalente a 70 quilômetros de comprimento por 7 metros de largura.

O investimento na área é de R$ 95,5 milhões, também via financiamento com a Caixa Econômica Federal e contrapartida do governo de Brasília. Os serviços de drenagem estão em andamento, com 47% executados. A conclusão do Trecho 2 está prevista para o fim de 2018.

Já no Trecho 3, o valor contratado com o Consórcio Nascente III é de R$ 66 milhões. Isso inclui 21,3 quilômetros de redes de drenagem, três lagoas de retenção e 450,5 mil metros quadrados de pavimentação.

A Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos tenta viabilizar a emissão da licença de instalação com o Instituto Brasília Ambiental (Ibram) para dar início às intervenções no Trecho 3.

Adaptação no sistema vai permitir transferência de água do Santa Maria para o Descoberto

Para amenizar impacto à população, Caesb fará intervenções em um domingo (30), quando o consumo diminui. Por isso, dias do rodízio em alguns locais, como Asa Sul e Lago Sul, serão alterados na próxima semana.

Como parte das medidas de enfrentamento à crise hídrica, a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) fará adaptações para permitir a transferência de água do reservatório do Sistema Santa Maria-Torto para o Sistema Descoberto.

As intervenções ocorrerão em 30 de julho, um domingo, a fim de causar menores transtornos à população. Para isso, haverá alterações no rodízio de alguns locais (veja lista abaixo).

As mudanças no sistema de abastecimento de água do DF para fazer a interligação dos dois sistemas serão feitas por meio do Reservatório 2 do Plano Piloto, que fica no Parque da Cidade Dona Sarah Kubitschek.

“Já existe uma adutora que leva água do Descoberto para Santa Maria. Vamos adaptar para que seja possível o contrário também”Maurício Luduvice, presidente da Caesb

“Já existe uma adutora que leva água do Descoberto para Santa Maria. Vamos adaptar para que seja possível o contrário também”, explica o presidente da Caesb, Maurício Luduvice. A capacidade de transferência será de 250 litros de água por segundo.

Futuramente, será construída uma elevatória no reservatório do Cruzeiro. A estrutura permitirá que sejam levados até 700 litros de água por segundo do Sistema Santa Maria-Torto para o Sistema Descoberto.

Ambas as medidas estão relacionadas com a captação emergencial de água no Lago Paranoá. Quando o Subsistema Produtor do Lago Norte estiver em operação — também com capacidade de 700 litros de água por segundo —, a água retirada de lá abastecerá Asa Norte, Itapoã, Lago Norte, Paranoá, parte de Sobradinho II e Taquari.

Como o fornecimento para essas regiões é ofertado hoje por meio do Santa Maria-Torto, a ação para desafogar o Descoberto será a transferência de líquido do primeiro para o segundo.

Assim, a água do Sistema Santa Maria-Torto que abasteceria esses locais por meio dos reservatórios do Paranoá e do Lago Norte seguirá para outros dois reservatórios — um no Parque da Cidade e outro no Cruzeiro. Nesses últimos, haverá a interligação para que o abastecimento seja equilibrado entre os sistemas.
Mudanças no dia de rodízio para área central, Asa Sul e Lago Sul

Com as melhorias agendadas pela Caesb para 30 de julho, haverá necessidade de alterar o dia de rodízio em alguns locais do DF. “São obras que exigem interrupção. Ocorrerá em um domingo, para que cause menos transtorno, é um dia com menos consumo”, justifica Luduvice.

Nas regiões afetadas, a data de interrupção precisará ser adiada em um ou dois dias. As mudanças no rodízio semanal estão atualizadas no cronograma da companhia.

A operação será normal, com interrupção a partir das 8 horas e duração de 24 horas, seguidas por até 48 horas de estabilização.

Alterações no rodízio de água no Sistema Santa Maria/Torto

Lago Sul (QL 12 a 28, QI 16 a 29, Conjuntos 1, 2 e 3 da QI 13), Pontão do Lago Sul, SMDB, Setor Habitacional Dom Bosco/Villages Alvorada, Condomínio Privê Morada Sul

Expectativa anterior de desabastecimento: sábado (29)

Nova data: domingo (30)

Asa Sul (SQS 202 a 208, SQS 402 a 404, CLS 201 a 208, CLS 402 a 405, SES 801 a 803 e anexos dos Ministérios-Sul) e Lago Sul (QL 2 a 10, QI 1 a 15, exceto Conjuntos 1, 2 e 3 da QI 13)*

Expectativa anterior de desabastecimento: sexta (28)
Nova data: domingo (30)
*Outras partes da Asa Sul e do Lago Sul já tinham previsão de fornecimento interrompido em 30 de julho, sem necessidade de mudança

© Espaço Mulher DF - 2013 - Todos os direitos reservados.
imagem-logo