Fibromialgia – O coração sente, o corpo dói

O que é Fibromialgia?

Fibromialgia é comumente conhecida como uma condição dolorosa em que a pessoa sente dores por todo o corpo durante longos períodos, sendo muitas vezes chamada de síndrome por, reunir diversos sintomas clínicos de indisposição, distúrbios do sono, depressão, ansiedade e dores, muitas com sensibilidade nas articulações, nos músculos, tendões e em outros tecidos moles.

Há alguns anos atrás, diagnosticava-se essa doença muitas vez como fibrosite que se trata de um processo inflamatório dos músculos e não era muito levado a sério quando associado a problemas emocionais.

A ciência está chegando a conclusão que a fibromialgia é um tipo de reumatismo somado a grande sensibilidade a dor que o enfermo possa desenvolver.
Causas

As causas da fibromialgia ainda são desconhecidas, mas existem vários fatores que estão frequentemente associados a esta síndrome. Confira:

· Regulação de determinadas substâncias do sistemas nervoso central – serotonina e noradrenalina

· O grande vilão da atualidade o stress psicológico e também problemas endocrinológicos

· Genética: fibromialgia é muito recorrente em pessoas da mesma família, o que pode ser um indicador de que existem algumas mutações genéticas capazes de causar a síndrome

· Infecções por vírus e doenças autoimunes também podem estar envolvidas nas causas da fibromialgia

· Distúrbios do sono, sedentarismo, ansiedade e depressão também podem estar ligados de alguma forma à síndrome.


Fatores de risco

Os médicos alertam para alguns fatores de risco que facilitam o surgimento de fibromialgia. Confira:

· Problemas para dormir aumentam chances de fibromialgia

· Sexo: a síndrome é mais comum em mulheres do que em homens, em especial naquelas entre 20 e 50 anos

· Estar em ambiente muito estressante ou ter vulnerabilidade ao stress

· Experiências difíceis na infância

· Histórico familiar: a doença é recorrente entre membros de uma mesma família, indicando que talvez exista algum fator genético envolvido nas suas causas.

Confira os principais sintomas da fibromialgia:

· Dor generalizada: a dor associada à fibromialgia é constantemente descrita como uma dor presente em diversas partes do corpo e que demoram pelo menos três meses para passar

· Fadiga: pessoas portadores dessa síndrome frequentemente acordam já se sentindo cansadas, mesmo que tenham dormido por muitas horas. O sono também é constantemente interrompido por causa da dor, e muitos pacientes apresentam outros problemas relativos ao sono, a exemplo da apneia e insônia

· Dificuldades cognitivas: para os portadores de fibromialgia, é mais difícil se concentrar, prestar atenção e focar em atividades que demandem esforço mental

· Dor de cabeça recorrente ou enxaqueca clássica, dor pélvica e dor abdominal sem causa identificada (Síndrome do intestino irritável)

· Problemas de memória e de concentração

· Dormência e formigamento nas mãos e nos pés

· Palpitações

· Sintomas urinários, como ardência para urinar e necessidade de ir ao banheiro com frequência

· Perda da libido, intensas cólicas menstruais, flutuações constante de peso

· Depressão chega a cerca de 70% dos pacientes

· Redução na capacidade de se exercitar.
Buscando ajuda médica

Os sintomas de fibromialgia são muito similares a sintomas de outras síndromes. Geralmente ele é feito por um reumatologista.

Por isso, é importante que, durante a consulta, você:

· Descreva todos os seus sintomas e a intensidade das dores que sente

· Fale sobre problemas médicos que teve no passado, bem como o de seus parentes

· Relate todos os medicamentos e suplementos que toma

Diga ao médico se tem problemas ao dormir. Ele deverá perguntar também sobre eventuais sintomas de depressão e ansiedade.
Diagnóstico de Fibromialgia

O diagnóstico da fibromialgia é feito clinicamente (por meio da história dos sintomas e do exame físico). Não existem testes laboratoriais que possam realizar o diagnóstico, mas o médico pode solicitar exames de sangue para que outras doenças, com sintomas e características parecidos, sejam descartadas entre os possíveis diagnósticos.
Tratamento de Fibromialgia

O tratamento de fibromialgia é mais eficaz quando são unidos medicamentos e cuidados não medicamentosos. O foco é evitar a incapacidade física, minimizar os sintomas e melhorar a saúde de modo geral.

O tratamento pode envolver:

· Fisioterapia

· Programa de exercícios e preparo físico.

· Métodos para alívio de estresse, incluindo massagem leve e técnicas de relaxamento

· Terapia cognitivo comportamental.

Existem várias classes de medicamentos que são utilizados em conjunto com o tratamento não medicamentoso. As drogas mais utilizadas são analgésicos de ação central, incluindo algumas drogas antidepressivas e antiepilépticas que têm esta ação analgésica. Medicamentos para melhorarem o padrão do sono e miorrelaxantes também são, frequentemente, utilizados isoladamente ou em conjunto com medicamentos analgésicos.

A terapia cognitivo-comportamental é uma parte importante do tratamento. Com ela, você aprenderá a:

· Lidar com pensamentos negativos

· Manter um diário de seus sintomas e dores

· Reconhecer o que agrava seus sintomas

· Buscar praticar atividades agradáveis

· Estabelecer limites.

Os grupos de apoio também podem ser úteis.

Entre outras recomendações estão:

· Seguir uma dieta bem balanceada

· Evitar cafeína

· Manter uma boa rotina de descanso para melhorar a qualidade do sono

· Acupressão e acupuntura.

Os casos graves de fibromialgia podem ser encaminhados a uma clínica especializada em dor. O tratamento geralmente se dá com equipe multidisciplinar composta por reumatologista, fisioterapeuta e psicólogo ou psiquiatra para um melhor diagnóstico.

O hospital das Clínicas (Fisiatria) é uma opção para buscar tratamento medicamentoso.
Tratamentos Alternativos

A falta de magnésio no organismo – encontrado em carne, leite e vegetais verde-escuros – pode provocar espasmos nos músculos e dores. Pesquisas apontam que mulheres com fibromialgia que consumiram 300 mg de magnésio, diariamente, por oito semanas, sentiram menos dor. “O correto é avaliar os níveis de magnésio no organismo por meio de exame de sangue para ver se é o caso de fazer uma suplementação”, afirma Wilson Rondó, especialista em medicina ortomolecular (SP).

A acupuntura tem se mostrado um tratamento auxiliar que ajudar muita amenizando as dores, apesar de cientificamente não ter sido nada comprovado.

O shiatsu é essa massagem japonesa diminui as dores crônicas generalizadas, de acordo com uma pesquisa da fisioterapeuta Susan Yuan, da Universidade de São Paulo (USP). Após 16 sessões do tratamento, foram observados efeitos muito positivos também no sono. O shiatsu desbloqueia o fluxo de energia vital, cujo acúmulo em áreas do corpo provoca dor. Isso melhora a circulação sanguínea, reduz a tensão muscular e libera analgésicos naturais.

A dança do ventre é uma modalidade que que diminui a dor e aumenta a vitalidade, de acordo com uma pesquisa apresentada pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). As 40 mulheres que se submeteram a duas aulas da dança por semana, por quatro meses, sentiram maior bem-estar em comparação com outras 40 pacientes que fizeram exercícios regulares. A explicação: a autoestima foi elevada, o que refletiu no estado geral de cada uma delas.

A massagem segundo estudo espanhol, pesquisadores submeteram os pacientes a 90 minutos de massagem miofacial durante 20 semanas. Resultado: menos dor e ansiedade. No método, o fisioterapeuta faz o alongamento do tecido que envolve o músculo e que normalmente é contraído com a doença.

A yoga para mulheres deve ser feita todos os dias, durante 20 a 40 minutos, sentem menos dor e fadiga decorrentes da fibromialgia. A conclusão é do estudo liderado pelo Ph.D. James W. Carson, do Centro de Compreensão da Dor da Oregon Health & Science University (EUA). As técnicas de respiração induzem ao relaxamento e evitam os incômodos. A prática de tai chi chuan também é válida: as posturas e as técnicas de respiração trabalham corpo e mente, o que melhora a qualidade do sono e diminui a depressão e o ciclo de dor. Porém, é possível que um ou outro movimento de ioga ou tai chi desencadeiem dor sobre alguma musculatura. É preciso passar por uma avaliação com um terapeuta antes.
Convivendo/ Prognóstico

A fibromialgia é uma síndrome de longa duração com flutuações frequentes na intensidade da dor. Seguindo o tratamento corretamente e tomando os devidos cuidados dentro de casa, os sintomas tendem a melhorar. Mais importante ainda: com os devidos cuidados, a pessoa com fibromialgia não perde sua capacidade funcional.

Em casa, você pode tomar algumas medidas para ajudar no tratamento e a conviver melhor com a doença. Veja exemplos:

· Reduza o estresse diário

· Durma o suficiente para estar descansado no dia seguinte

· Exercite-se regularmente, isso é muito importante.

· Mantenha um mesmo ritmo de vida

· É importante evitar álcool, cigarros e cafeína

· Preserve um estilo de vida saudável.

Medicamentos

Existe uma enorme quantidade de tipos diferentes de medicamentos usados para controlar os sintomas da fibromialgia. Muitos deles tem mostrado eficiência direta no sistema nervoso central, sendo esses os antidepressivos e as drogas anticonvulsivantes. Os medicamentos que agem diretamente na dor, como anti-inflamatórios e analgésicos, são menos eficazes. Devendo ser usados em associação com os antidepressivos, potencializando seus efeitos contra dor.
Prevenção

Não há formas de prevenção para a fibromialgia.
O Especialista indicado

O especialista para fazer o diagnóstico da fibromialgia é o reumatologista.
Conclusão

Mulheres com fibromialgia apresentaram tendência de humor deprimido, sendo que essa característica se apresenta associada a fatores sociodemográficos e clínicos, geralmente devido quadro de dor generalizada que debilita o organismo e desmotiva a mente. Como ainda não foi identificada cientificamente a cura por se tratar de uma doença não só que ataca o físico, mas muitas das vezes tendo início na mente, existem tratamentos alternativos que vem apresentando melhoras em alguns casos.


Obs.: Não foi citado nomes de medicamentos por que a intensão da matéria é passar a maior conhecimento possível sobre a fibromialgia e não medicar. Caso alguém tenha os sintomas citados deve procurar o Reumatologista por que só é possível o diagnósticos através de uma investigação clinica e muitas vezes envolvendo outros especialistas como psicólogo e fisioterapeutas.
Meu depoimento

Bom, esse é um assunto que posso falar com vocês pois vivi na pele por alguns anos, sofri demais, as dores eram muito intensas e eu chegava a vomitar de tão forte que era a dor… era como se agulhas perfurassem todo meu corpo. Tudo começou após um grande período de stress e mágoas vividas na separação do meu primeiro casamento, onde fui abandonada grávida de 3 meses após 13 anos de relacionamento.

Quando me dei conta das dores, das limitações que estava vivendo… meu filho já tinha quase 1 ano de idade, não conseguia trabalhar e ter uma vida normal, não sabia se no dia seguinte estaria sem dor ou ainda com mais dor… Então, busquei médicos, diversas opiniões, os melhores especialistas e diagnosticaram a FIBROMIALGIA. Simplesmente depois de meses e meses tomando medicamentos fortes para dor, alguns até com morfina… relaxante muscular e anti-inflamatórios eu decidi. Não, não serei refém desta doença terrível, sou jovem e quero viver, preciso me levantar, cuidar do meu filho, ele era minha força… e com muita fé busquei soluções. Fiz várias pesquisas e conheci histórias de pessoas que conseguiram se livrar das dores. Os médicos dizem que é uma doença incurável, mas eu preferi acreditar que tudo é possível quando se tem fé e comecei a criar uma força interior e fui a luta. Minha médica não era a favor da musculação, achava que eu devia ficar apenas com fisioterapia e hidroginástica, mas nas minhas pesquisas a melhor maneira de se obter as substâncias do prazer neuroadrenalina, serotonina…era malhando, puxando ferro e correndo… e SIM, assim eu comecei. No incio foi bem difícil, me sentia fraca, tinha dias que não conseguia ir, mas com garra e determinação eu CONSEGUI… depois de 2 anos lutando eu não sentia mais NADA. Nem dor, nem depressão, nem limitações dos movimentos… estava livre, minha felicidade era imensa… pois eu na gestação havia engordado 30 quilos e eliminei todos na musculação. Claro que nem todo mundo possa obter a mesma resposta, nem tudo que serve pra mim servirá para você, mas acredite: Nossa mente é capaz de criar doenças, então ela também é capaz de encontrar a CURA. Não seja refém, liberte-se dos pensamentos negativos, das mágoas, das pessoas que te fazem mal e cuide de você… Hoje sou feliz, me considero curada, já estou há quase 5 anos sem crise e nenhuma dorzinha se quer.

DETERMINE PARA VOCÊ E LIBERTE-SE… Somos merecedores da felicidade!

© Espaço Mulher DF - 2013 - Todos os direitos reservados.
imagem-logo