Homem mantinha jovem dopada em apartamento na Asa Norte

A polícia apreendeu computadores e outros pertences do aliciador, que não estava no local. Foto: Rayra Paiva Franco/Jornal de Brasília

Ele é suspeito de exploração sexual. Mandado de busca e apreensão foi expedido para recolher computadores com possíveis provas.

Uma jovem de 18 anos foi encontrada pela Polícia Civil em um apartamento da Asa Norte em condições de exploração sexual na manhã desta segunda-feira (16). Além da roupa do corpo, ela tinha apenas um vestido como pertence pessoal e foi encaminhada à Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam), na Asa Sul, após prestar depoimento.

O mandado de busca e apreensão foi expedido por causa da CPI da Pedofilia, em andamento na Câmara Legislativa do DF desde maio de 2016. Há outros dois mandados expedidos, mas não foram cumpridos porque os criminosos mudaram de endereço.

Neste caso na Asa Norte, embora a vítima seja maior de idade, a polícia compara a situação com pedofilia devido à estrutura física e à vulnerabilidade emocional da garota.

Dopada para não fugir

A jovem estava na casa do aliciador há um mês e queria ir embora há uma semana. Mas, segundo a investigação, era obrigada a tomar antidepressivos para perder a capacidade de reagir. O homem não estava no local. A polícia apreendeu dois computadores, um notebook, um HD externo, dois CDs, um DVD de filme pornográfico, um celular e uma caixa de Ritalina. As investigações continuam para identificar novas vítimas e aliciadores.O delegado Haendel Fonseca detalha as condições em que a menina foi encontrada na Asa Norte. Foto: Rayra Paiva Franco/Jornal de Brasília

Rede de exploração
Segundo o delegado Haendel Fonseca, responsável pela Operação Crisálida, há indícios de que exista uma rede de exploração sexual de crianças e adolescentes carentes no DF. Os pedófilos pagam de R$ 150 a R$ 2 mil por programa e oferecem entorpecentes às garotas. Elas ficam com apenas 30% do valor combinado. Em alguns casos, não ganham nada.


Os criminosos agem pela internet. Por isso, é mais difícil encontrá-los. “A rede de exploração usa aplicativos e anuncia as garotas na internet. Além disso, trocam as adolescentes. Eles conversam entre si e as jovens passam de um envolvido para outro”, esclarece Fonseca.

Em alguns casos, a família sabe da situação. “Mas não tem mecanismos para resgate de sua filha. Não um resgate físico, mas psicológico, para que ela deixe essa vida”, diz o delegado, sem entrar em mais detalhes. Segundo ele, as vítimas são pobres, moradoras de regiões administrativas do DF e da Região Metropolitana.

© Espaço Mulher DF - 2013 - Todos os direitos reservados.