Para celebrar a extubação dos internados — que consiste na retirada do tubo usado para a ventilação mecânica —, os 18 fisioterapeutas do Pronto-Socorro (PS) Covid do Hospital de Base (HB) decidiram fazer um ato simbólico: guardar em uma garrafa os cuffs (ou balonetes) utilizados | Foto: Davidyson Damasceno/Iges-DF

Balonetes utilizados em quem estava intubado são guardados em uma garrafa como símbolo de esperança.
Agência Brasília

Cada batalha vencida contra a covid-19 merece ser comemorada, não apenas pelos pacientes e familiares, mas também pelos profissionais envolvidos. Para celebrar a extubação dos internados — que consiste na retirada do tubo usado para a ventilação mecânica —, os 18 fisioterapeutas do Pronto-Socorro (PS) Covid do Hospital de Base (HB) decidiram fazer um ato simbólico: guardar em uma garrafa os cuffs (ou balonetes) utilizados em quem estava intubado, levando em frente a mensagem “Deposite aqui a sua esperança”.

Para a coordenadora de Fisioterapia do PS Covid, Adriana Princhak, os cuffs — aparatos que impedem o escape de ar — dentro da garrafa simbolizam a evolução de cada quadro.

“O paciente que antes estava respirando por aparelhos agora respira de forma espontânea”, destaca. “Isso caracteriza a esperança de que esses pacientes recebam alta da unidade crítica e logo estejam com suas famílias.”

A insuficiência respiratória aguda, sintoma da covid-19, é a principal indicação para a adoção da intubação, que permite a passagem de ar de um ventilador mecânico para o interior da traqueia do paciente.

Com a pandemia do coronavírus, a necessidade do procedimento aumentou em todo o país. E o primeiro passo para a alta médica é a extubação. “Por isso, essa fase deve ser celebrada”, acredita a fisioterapeuta Adriana.

Atualmente, o HB conta com 122 leitos para covid-19, sendo 57 na UTI, 40 no Pronto-Socorro Covid (3º andar), 13 na Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) e 12 destinados à recuperação dos enfermos no sétimo andar do prédio.

*Com informações do Iges-DF