Audiência pública discute tratamento de câncer de mama no DF

Apenas 4% das mulheres alvo fazem rastreamento.

A Câmara Legislativa realizou audiência pública na manhã desta quarta-feira (26) para discutir a situação do tratamento de câncer de mama na rede pública de saúde do DF. O autor da iniciativa do debate, deputado Rafael Prudente (PMDB), criticou a gestão dos recursos destinados à saúde pelo Governo do Distrito Federal. "Esta Câmara Legislativa destinou mais de R$ 20 milhões para a manutenção de equipamentos hospitalares, mas hoje não há sequer um equipamento de radioterapia funcionando. As pacientes que procuram a rede pública hoje dependem de favores de outros hospitais", apontou o distrital.

Rafael Prudente também apresentou números da execução orçamentária do governo na área da saúde para embasar sua crítica. "Até 17 de abril, o governo só executou R$ 5,5 milhões dos R$ 69 milhões autorizados para a manutenção de equipamentos hospitalares. O dinheiro está sobrando e as pessoas estão morrendo por falta de tratamento. A Secretaria de Saúde do DF tem um orçamento de R$ 7 bilhões, quase o mesmo que a Secretaria de Saúde de São Paulo, que tem uma população muito maior", comparou.

O médico oncologista do Hospital Sírio-Libanês, Dr. Carlos Henrique dos Anjos, fez uma apresentação da evolução do tratamento médico da doença. "Hoje temos medicamentos muito eficazes, que aumentam bastante o tempo de sobrevida das pacientes. São medicamentos caros, cujas patentes precisam ser quebradas para viabilizar a produção nacional. Do ponto de vista técnico, as drogas são eficientes, mas a sociedade precisa decidir quanto está disposta a pagar para aumentar o tempo de vida das pessoas acometidas por essa doença", afirmou.

Representando a Secretaria de Saúde, o Dr. Bruno José de Queiroz Sarmento admitiu que o diagnóstico precoce no DF ainda está longe de atingir o ideal. "Hoje apenas 4% das mulheres alvo fazem o rastreamento do câncer de mama. Nossa meta para este ano é chegar a 25%, o que representa por volta de 80 mil exames. No entanto, a demanda hoje de exames na rede pública é de apenas 18 mil. Precisamos que mais pessoas procurem os hospitais públicos para realizarem esses exames", informou.

Sarmento disse ainda que o DF conta com dois equipamentos de radioterapia, sendo que um deverá ser implantado em novembro deste ano e o outro, somente em 2019. "Hoje operamos um equipamento antigo de cobalto, que na verdade deveria ser peça de museu. Mesmo assim, vamos usá-lo por mais quatro ou cinco anos, até que possa enfim ser substituído pelos mais modernos", afirmou.

Para o defensor público federal Eduardo Nunes de Queiroz, porém, a necessidade de diagnósticos precoces é urgente. "Se o governo alega não ter recursos para tratamentos avançados, então que pelo menos sejam feitos os exames preventivos na população alvo", defendeu. Joana Jeker, da Associação de Mulheres Mastecmotizadas de Brasília, também falou sobre a importância do diagnóstico precoce. "Hoje, 50% dos casos são diagnosticados em estágios avançados da doença. Se essas mulheres fossem diagnosticadas precocemente, suas chances de cura estariam em 95%. Todos sabemos que para o paciente com câncer, o tempo é muito valioso", observou.
CLDF

© Espaço Mulher DF - 2013 - Todos os direitos reservados.
imagem-logo