Ação penal contra distritais citados na operação Drácon começa a tramitar no TJ

Ação penal cita Celina Leão, Bispo Renato, Julio Cesar, Raimundo Ribeiro e Cristiano Araújo, pelo crime de corrupção passiva. Grupo cobrou propina para liberar emendas, diz investigação.

Por Gabriel Luiz e Mateus Rodrigues, G1 DF

Deputados réus na Justiça no âmbito da operação Drácon (Foto: Montagem/G1)

A ação penal apresentada pelo Ministério Público do Distrito Federal contra os cinco deputados distritais investigados na operação Drácon foi protocolada, formalmente, no sistema do Tribunal de Justiça nesta quinta-feira (10). A denúncia tinha sido recebida pelo Conselho Especial do TJ em março, mas o processo ainda aguardava os trâmites burocráticos.

A denúncia cita os deputados Celina Leão (PPS), Raimundo RIbeiro (PPS), Bispo Renato Andrade (PR), e Julio Cesar (PRB) – que compunham a Mesa Diretora da Câmara Legislativa entre 2015 e 2016 – e o deputado Cristiano Araújo (PSD), apontado como articulador do esquema. Vice-presidente da Casa na época e autora das gravações que deram origem à apuração, Liliane Roriz (PTB) não é citada.

O G1 tenta contato com a defesa dos parlamentares e com o Ministério Público. Em função do Dia do Advogado, o TJ e o MP do DF não têm expediente nesta sexta (11). Apesar da denúncia e do processo, os deputados continuam exercendo os mandatos porque o pedido de afastamento, feito pelo MP, foi negado pelo Conselho Especial.

A operação Drácon foi deflagrada em agosto do ano passado, e investiga a existência de um esquema de propina na Câmara Legislativa, em troca da destinação de emendas parlamentares para quitar dívidas do Palácio do Buriti.

Próximos passos
A partir de agora, serão ouvidas testemunhas de defesa e de acusação, além dos próprios réus, antes do julgamento final. Novas provas também podem ser apresentadas, tanto pelo Ministério Público – o órgão acusador – quanto pelos envolvidos.

A denúncia foi oferecida em novembro do ano passado. Para os investigadores, há provas de que o grupo recebeu propina para articular e aprovar emendas em favor de empresas da área da saúde e da construção civil que detêm contratos com o governo.

Se forem condenados, eles perdem o mandato eletivo e podem ser punidos com multa e até 24 anos de prisão.

Mesa de corrupção

A Drácon recaiu sobre os parlamentares que, na época, compunham a Mesa Diretora da Câmara Legislativa. Além de Celina e Liliane, então presidente e vice, Ribeiro ocupava o cargo de primeiro-secretário; Julio Cesar era segundo-secretário e líder do governo, e Andrade, terceiro-secretário.
O grupo chegou a ser afastado da Mesa mas, depois, retornou. A Drácon também investiga a conduta do deputado Cristiano Araújo, que não fazia parte da Mesa Diretora, mas é visto pelo MP como "interlocutor" entre as empresas beneficiadas e os parlamentares.

© Espaço Mulher DF - 2013 - Todos os direitos reservados.
imagem-logo