Desabamento de viaduto é discutido mais uma vez na Câmara

GDF não enviou representantes à audiência

A Câmara Legislativa voltou a discutir na tarde desta quinta-feira (15) as causas e as responsabilidades relacionadas ao desabamento do viaduto da Galeria dos Estados, ocorrido há pouco mais de um mês. Durante a comissão geral, muito se falou sobre laudos que alertavam para a necessidade de reparos na estrutura que ruiu, sobre as opções técnicas para a obra – como a demolição ou a reparação – e sobre a necessidade de apurar os responsáveis pelo desabamento. Representantes do Departamento de Estradas e Rodagem (DER), do Conselho de Engenharia e Agronomia (Crea-DF) e da Universidade de Brasília (UnB) participaram do debate. O governo, contudo, não enviou nenhum representante.

O presidente da CLDF, deputado Joe Valle (PDT), lamentou a ausência do governo na discussão. "Debate, diálogo e tolerância são essenciais para o exercício da democracia", disse. Já o deputado Wellington Luiz (PMDB) foi mais duro: "Não lamento nem estranho a ausência. Essa é uma prática comum deste governo: a covardia. A ausência fala por si só".

Também presente ao debate, Celina Leão (PPS) foi uma das distritais a defender a criação de uma comissão parlamentar de inquérito para investigar "com profundidade" a situação de obras patrimoniais do DF. A deputada argumenta que uma CPI terá força de polícia e, com isso, condições de dar respostas aos questionamentos feitos ao governo. O mesmo argumento foi defendido por Wellington Luiz, para quem o governo "está faltando com a verdade" no caso do desabamento de parte do viaduto do Eixão.

Responsabilização – Servidores do DER saíram em defesa do órgão e acusaram o governador Rodrigo Rollemberg de mentir ao culpar a autarquia pelo desabamento. Eles lamentaram a exoneração do ex-diretor Henrique Luduvice e classificaram a nomeação de Márcio Buzar, ex-diretor de Edificações da Novacap, para ocupar o cargo como uma "farsa".

"A verdade precisa ser estabelecida: o DER não era responsável pelo viaduto que caiu", frisou diversas vezes o ex-diretor Luduvice, ao explicar que as intervenções no centro de Brasília estavam à cargo da Novacap desde 2011. Ele apresentou, mais uma vez, documentos que comprovam que a Novacap tinha ciência da situação do viaduto e da própria Galeria dos Estados e que, inclusive, o órgão recomendou a realização de obras com urgência.

Solução – Durante a comissão geral, o professor adjunto do Curso de Engenharia Civil e Ambiental da UnB Cláudio Henrique de Almeida Pereira apontou que estudos realizados por uma comissão da universidade sugerem a demolição total do viaduto da Galeria dos Estados. A proposta vai de encontro à recomendação do Crea-DF, que aposta na viabilidade de se restaurar a estrutura. O GDF ainda avalia a melhor alternativa.

Denise Caputo
Foto: Carlos Gandra
Comunicação Social - Câmara Legislativa

© Espaço Mulher DF - 2013 - Todos os direitos reservados.