Educação alimentar é servida com almoço nos restaurantes comunitários

Durante o mês de abril, os 14 estabelecimentos do DF serão contemplados com debates e orientações nutricionais. As ações ocorrem no horário do almoço.

Ao longo do mês de abril, os restaurantes comunitários do Distrito Federal recebem atividades de educação alimentar na hora do almoço. Os debates, com temas variados, têm o intuito de promover maior conscientização sobre o consumo saudável dos alimentos.Durante o mês de abril, os 14 restaurantes comunitários do DF serão contemplados com debates e orientações nutricionais. Foto: Tony Winston/Agência Brasília

O projeto é coordenado pela Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, por meio da Subsecretaria de Segurança Alimentar e Nutricional.

Mediado por nutricionistas da pasta e da empresa licitada de cada restaurante comunitário, o ciclo de ações, iniciado na primeira semana do mês, busca orientar a população sobre o assunto nutricional sugerido e tirar dúvidas.

A última edição ocorreu no restaurante de Santa Maria, na quinta-feira (12). Gabriely Caroline Soares, nutricionista da Ciga Cozinha Industrial e Gestão Alimentar Ltda. – empresa responsável pela unidade –, explicou que a proposta tem sido bem recebida pelos frequentadores.

“Muitas pessoas vêm tirar dúvidas e se impressionam com a quantidade de sal e açúcar presente nos alimentos que elas consomem diariamente”, comentou Gabriely.
"As pessoas vêm tirar dúvidas e se impressionam com a quantidade de sal e açúcar presente nos alimentos que consomem diariamente"Gabriely Caroline Soares, nutricionista

Para ela, a ideia de montar um espaço de diálogo nos restaurantes comunitários é interessante. “Recebemos muitas sugestões da própria população, e essa troca é positiva. Às vezes a mudança é coisa simples”, expôs a nutricionista.

Os restaurantes de Planaltina, Brazlândia e Sobradinho e Santa Maria também já foram contemplados. A ideia é proporcionar um encontro por mês em cada unidade.

As regiões de Ceilândia e do Gama serão as próximas a receber o projeto nesta terça-feira (17), a partir das 11 horas. Para participar, basta ir à unidade na hora das atividades.

De acordo com o subsecretário de Segurança Alimentar e Nutricional, João Roberto Oliveira de Sousa, os encontros foram marcados na hora do almoço para aproveitar o grande fluxo de pessoas nas unidades.

A exceção é o do Sol Nascente, onde o perfil dos frequentadores se concentra mais no período da manhã. A ideia é que os debates ocorram até o fim do ano.
Atividades de educação alimentar no mês de abril
Data Restaurante Comunitário
17 de abril Ceilândia

Das 11 às 14 horas
Tema: Benefícios do azeite e gorduras saudáveis
Gama

Das 11 às 13 horas
Tema: Alimentos perecíveis e não perecíveis: formas corretas de armazenamento
19 de abril Riacho Fundo II

Das 11 às 14 horas
Tema: Orientações Nutricionais para a prevenção de diabetes tipo 2
25 de abril Estrutural

Das 11h30 às 14 horas
Tema: Consumo de sódio
Recanto da Emas

Das 11 às 12 horas
Tema: Benefícios dos sucos funcionais para a saúde
26 de abril Samambaia

Das 11 às 13 horas
Tema: Orientações nutricionais para a prevenção de diabetes tipo 2
São Sebastião

Das 12 às 14 horas
Tema: Os efeitos da alimentação saudável na saúde e qualidade de vida
Sol Nascente

Das 7 às 9 horas
Tema: Orientações nutricionais para a prevenção de diabetes
28 de abril Itapoã

Das 11 às 12h30
Tema: Higienização dos alimentos. Ações preventivas
Paranoá

Das 11 às 11h30
Tema: O consumo de produtos industrializados
Refeições balanceadas com baixo custo

Os restaurantes comunitários são equipamentos públicos de segurança alimentar e nutricional em que são oferecidas refeições saudáveis a preços acessíveis.

A iniciativa visa garantir o acesso à alimentação adequada para a população em situação de vulnerabilidade social. Para assegurar o benefício, o governo complementa o valor das refeições. O subsídio é, em média, de R$ 4,80 por prato.

No Distrito Federal existem 14 restaurantes comunitários que vendem diariamente cerca de 18 mil refeições. O valor varia de R$ 1 — para inscritos no Cadastro Único (CadÚnico) do governo de Brasília — a R$ 2 para o público em geral.

Para se inscrever no CadÚnico é preciso ter renda familiar mensal de até R$ 2.811 (o equivalente a três salários mínimos) ou de até R$ 440 per capita.

Para solicitar o cadastro é necessário ligar para o telefone 156 e marcar atendimento em um dos centros de referência de assistência social (Cras).

Desde janeiro, os restaurantes de Brazlândia e do Paranoá vendem café da manhã por R$ 0,50. O cardápio oferece opções como: café, leite ou pingado, pão com manteiga, bolo, achocolatado e uma fruta da época.

O restaurante do Sol Nascente foi o primeiro a ofertar café da manhã, com o serviço iniciado em 2016. As três unidades vendem diariamente 2.500 cafés da manhã.

© Espaço Mulher DF - 2013 - Todos os direitos reservados.