Zoológico oferece vivência sensorial para grupos especiais

Visitação guiada para público com limitações, como idosos e pessoas com deficiência, permite contato mais próximo com bichos.

A visitação guiada para público com limitações, como idosos e pessoas com deficiência, permite contato mais próximo com bichos. Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília

Uma visitação sensorial, interativa e inclusiva. Essa é a premissa do projeto Zoo com Vivências, que a Fundação Jardim Zoológico de Brasília promove há dez anos.

A ideia é proporcionar uma experiência única a quem tenha alguma limitação — de idade ou deficiência física.

Também podem participar dependentes químicos, adolescentes em conflito com a lei, em tratamento médico-hospitalar e qualquer pessoa que necessite de atendimento especial.

As atividades são elaboradas de acordo com as necessidades de cada grupo — neste primeiro semestre, já foram 40. Na quinta-feira (21), foi a vez de os alunos do Centro de Ensino Especial 1 de Brasília conhecerem a iniciativa.

Treze estudantes com deficiências múltiplas passearam pelo Zoológico de Brasília e tiveram contato mais próximo com os animais. A visitação foi guiada por dois profissionais da fundação, com o auxílio de dois voluntários.No borboletário, os alunos do Centro de Ensino Especial 1 de Brasília entraram no recinto e interagiram com as borboletas. Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília

No borboletário, por exemplo, eles entraram no recinto e interagiram com as borboletas. Acompanhados das professoras, conheceram ainda várias espécies do Cerrado nos respectivos recintos e, no museu do zoo, tocaram em alguns no acervo de taxidermizados (empalhados).

Ao fim do passeio, com a ajuda de uma funcionária do Zoológico, puderam pegar em espécies ainda pequenas, como jacaré, jabuti e cobra-do-milho. Em ambiente controlado, sentiram a textura e a temperatura dos bichos e interagiram com eles.

Para a vice-diretora da escola, Ana Paula Ventori de Oliveira, que acompanhou as crianças, essa proximidade com os bichos contribui para superar medos. “A maioria nunca imaginou tocar em um. Elas vão criando confiança e, quando chegarem à escola, vão reconhecer e poder concretizar o conhecimento”, ressalta.

Já a coordenadora do projeto, Maria Torres, destaca a importância do aspecto social. “Para muitos, esse é o primeiro contato com os animais.” Além disso, avalia a servidora do zoo, o caráter inclusivo permite que os alunos se aproximem e tenham uma percepção de forma diferenciada.

A diretora de Educação Ambiental do Zoológico, Ana Lucia Dias Teixeira, conta que toda a programação é feita com abordagens que atendam a todas as especificidades, como dificuldades para se locomover, deficiência visual ou autismo.

Além da visita guiada, os roteiros incluem atrações como: teatro de fantoches, ecoteca (espaço para jogos e atividades culturais, lúdicas e pedagógicas), oficinas de produção e plantio de mudas, pintura ou colagem para trabalhar a coordenação motora (Bicho com Arte), exposição e atividades sensoriais com o acervo taxidermizado no Museu de Ciências Naturais e no serpentário.
Como participar do Zoo com Vivências

A participação no projeto é gratuita e para grupos de, no máximo, 30 pessoas, já incluídos os acompanhantes. Pessoas com deficiência e idosos têm direito a um acompanhante cada um.

Os interessados devem entrar em contato com a Diretoria de Educação Ambiental, pelo telefone (61) 3445-7007, para o pré-agendamento, um mês antes da data pretendida, no mínimo.

O solicitante receberá no e-mail informado o regulamento, as opções de roteiros disponíveis e o formulário de agendamento, que terá de ser preenchido e reenviado para o e-mail: atendimento.deam@gmail.com.

Em seguida, o coordenador do projeto entrará em contato para confirmar. Caso a instituição precise cancelar o evento, pede-se para que avise com a máxima antecedência possível pelo mesmo telefone do pré-agendamento.

Não são aceitas visitas individuais ou em duplas. Nesses casos, o zoológico poderá incluir a pessoa em outro grupo já formado. A iniciativa também não se limita a instituições, ou seja, qualquer turma, de 10 a 30 pessoas, pode solicitar o serviço.

Para grupos que porventura não puderem se deslocar até o zoo, o projeto tem opções itinerantes.

O Zoológico de Brasília fica na L4 Sul (Avenida das Nações) e funciona de terça-feira a domingo (e feriados), das 8h30 às 17 horas.

A entrada custa R$ 10. Crianças de 6 a 12 anos, estudantes, idosos (acima de 60 anos), professores e beneficiários de programas sociais do governo pagam meia (R$ 5). Para crianças com até 5 anos e pessoas com deficiência, o ingresso é gratuito.

Pessoas com deficiência e acompanhante e crianças de até 5 anos são isentos todos os dias.

Fonte: Agência Brasília

© Espaço Mulher DF - 2013 - Todos os direitos reservados.