Rede pública de saúde do DF está mais integrada

Reorganização começou pela atenção primária, mas também alcançou os níveis secundário e terciário. Entre as ações, agentes comunitários de saúde cadastram moradores do Paranoá Parque para acompanhar cada família.

Estabelecida como a única política de atenção primária do DF, em fevereiro de 2017, a Estratégia Saúde da Família tem atualmente 67,8% de cobertura. A quantidade de equipes que integram o modelo, desde então, mais que dobrou, passando de 237 para 530.Os moradores do Paranoá Parque são cadastrados pelos agentes comunitários de saúde, e cada parcela da população terá uma equipe de referência Foto: Renato Araújo/Agência Brasília.

Elas atendem em 171 unidades básicas de saúde, 23 delas entregues à população neste ano em regiões como Samambaia, Planaltina e Brazlândia.

Somente em Ceilândia foram cinco estruturas inauguradas ou revitalizadas, nos setores Pôr do Sol, Sol Nascente, Guariroba, Expansão do Setor O e Boa Esperança.

Outro exemplo é a unidade que atende moradores do Paranoá Parque, a cerca de três quilômetros do empreendimento. O espaço — entregue em julho depois de ser reformado — foi cedido pela Administração Regional do Paranoá.

O atendimento funcionará no local até que um novo fique pronto, na área dos apartamentos. “Assim poderemos realocar as equipes de outra unidade de saúde do Paranoá”, explica a diretora de Atenção Primária da Região Leste, Kátia Poças.

Cadastro de pacientes que moram no Paranoá Parque

A Unidade Básica de Saúde (UBS) 3 do Paranoá é composta por seis equipes de Saúde da Família, além de três de saúde bucal e uma do Núcleo Ampliado de Saúde da Família (Nasf). O último grupo, que passou de menos de dez para 21 consistidos em todo o DF, é formado, na UBS 3, por fisioterapeuta, terapeuta ocupacional, assistente social e psicólogo.
530equipes de Saúde da Família no DF. Número mais que dobrou, antes eram 237

“Recebemos muitos elogios dos pacientes quanto ao serviço prestado”, conta o gerente de Serviços de Atenção Primária em Saúde responsável pela UBS 3, Berardo Augusto Nunan, ao avaliar que a unidade é recente, e os fluxos ainda são organizados.

Os moradores do Paranoá Parque são cadastradospor agentes comunitários de saúde, e cada parcela da população terá uma equipe de referência. Isso significa dizer que cada família terá acesso a profissionais que cuidarão de todo histórico de saúde permanentemente.

Até agora, cerca de 50% do território passou pelo processo.
Prioridade para regiões de maior vulnerabilidade

O governo priorizou fortalecer a cobertura da Estratégia Saúde da Família em regiões de maior vulnerabilidade social, econômica e de saúde.

Locais como Estrutural, Fercal, Itapoã e Riacho Fundo II contam com 100% de cobertura. Porcentagem semelhante à do Gama (91,3%), Samambaia (90,4%) e São Sebastião (97,1%). O modelo hoje funciona em todas as regiões administrativas do DF.
Atenção secundária fortalecida

Depois de iniciar a reestruturação da atenção primária, o Executivo local começou a organizar a atenção secundária, que serve como complemento aos serviços ofertados nas unidades básicas de saúde.

O Decreto nº 38.982, de abril de 2018, instituiu a nova estrutura, e, hoje, 23 unidades compõem a atenção secundária, entre policlínicas, hospitais e outros espaços.

Esses serviços são conhecidos como de média complexidade, especializados em nível ambulatorial e hospitalar, com acesso à tecnologia mais avançada que nas UBS.

Para ser atendido nesses equipamentos, no entanto, é preciso que o encaminhamento seja feito pela unidade básica de referência do paciente. A consulta, então, será agendada.

Na atenção primária, são resolvidos 85% dos casos que chegam à rede, segundo a Secretaria de Saúde. Os outros 15% podem ser atendidos em um nível secundário ou terciário, que é destinado aos atendimentos de alta complexidade.
Melhorias na assistência terciária

Ainda para estruturar melhor a rede, outras duas medidas foram tomadas: a implementação do Instituto Hospital de Base (IHB) e a entrega do segundo bloco do Hospital da Criança de Brasília José Alencar. Ambas unidades centralizam a assistência terciária no DF.

A criação do instituto — por lei sancionada em 3 de julho de 2017, depois de aprovada pela Câmara Legislativa em 20 de junho — permitiu a reabertura de 107 leitos de enfermagem e 10 de UTI, a queda no prazo de aquisição de remédios de oito meses para 45 dias e a desburocratização de compras e contratações.

Os recursos para manter a unidade permanecem públicos, e o atendimento todo via Sistema Único de Saúde. Ainda foi possível modernizar o controle de estoques, organizar a fila de marcação de consultas e concluir a reforma do quarto terapêutico.
Instituto Hospital de Base e Hospital da Criança centralizam a assistência terciária no DF

As melhorias também incluem a retomada das obras do bloco administrativo e a instalação de bebedouros no ambulatório e no pronto-socorro. O hospital, com mais de 30 especialidades, oferece atendimento de urgência e emergência, traumas e cuidados intensivos e paliativos, além de reabilitação.

Quanto ao segundo bloco do Hospital da Criança, as instalações físicas foram entregues em 4 de julho e os dez primeiros leitos começaram a ser ocupados em outubro.

A estrutura tem 22.068 metros quadrados, 202 leitos, cinco salas de cirurgia de médio e grande porte, laboratório especializado, anatomia patológica, centro de ensino e pesquisa, farmácia, vestiário e central para esterilização de materiais.

Com o novo prédio, poderá fazer 8,5 mil consultas médicas, 250 cirurgias de médio e grande porte, 850 diárias e UTI e 500 internações por mês.

Fonte: Agência Brasília

© Espaço Mulher DF - 2013 - Todos os direitos reservados.