SOS DF ilumina as ruas de Ceilândia

Ação no Setor P Sul faz parte do mutirão de serviços criado pelo governador Ibaneis Rocha que prevê ações emergenciais em áreas estratégicas do governo.
Agência Brasília

CEB trocou 62 lâmpadas que estavam queimadas na EQNP16/20, no P Sul Fotos: Joel Rodrigues / Agência Brasília

O relógio marca 18h, mas ainda é dia na EQNP 16/20 em Ceilândia. O sol brilha, é horário de saída da Escola Classe 46 e o movimento de carros e pessoas na quadra é intenso. Mal passa de 18h30, sequer escureceu totalmente e as luzes dos postes se acendem. Mesmo com o chegar da noite, o local ainda está claro graças à iluminação pública.

A realidade, no entanto, nem sempre foi assim. Até 17 dias atrás, a iluminação estava precária, com várias lâmpadas queimadas. “Você olhava aí para trás e não via nada. Estava tudo escuro”, conta Valdécio Rabelo de Jesus, 59 anos, morador da QNP 20. “Era perigoso. A gente morria de medo de passar aqui. Tinha assalto ali em cima e lá embaixo”, completa Cintia Arina, 33 anos, que cruza a quadra todos os dias para ir e voltar do trabalho e ir e voltar da escola, à noite.

A Companhia Energética de Brasília (CEB) trocou 62 lâmpadas que estavam queimadas no local. A ação, que deu cara nova para a movimentada quadra do P Sul, faz parte do SOS DF, o mutirão de serviços criado pelo governador Ibaneis Rocha para dar respostas imediatas aos principais problemas identificados pela sua gestão. O programa prevê ações emergenciais em áreas estratégicas do governo.

“Quando tomou posse, o governador nos pediu que a iluminação pública do DF estivesse funcionando completamente”, conta o presidente da CEB, Edison Garcia. Desde 2 de janeiro, a CEB trocou 1.774 lâmpadas queimadas em todo o DF. O trabalho foi feito em todas as regiões administrativas e em áreas como os trechos I e II do Sol Nascente, o condomínio Pôr do Sol, em Ceilândia e o Taquari, no Lago Norte.

Um total de 215 servidores da CEB, divididos em 16 equipes, percorreram todo o Distrito Federal para revisitar os pontos de iluminação pública. “Fizemos uma revisão geral, as equipes saíram à noite pelas cidades e hoje podemos dizer que o plano de recuperação da iluminação pública está 100% executado dentro dos prazos previstos”, afirma. Agora, os funcionários fazem a manutenção e troca das lâmpadas que eventualmente queimarem. “Porque é como a nossa casa: lâmpada queima mesmo”, acrescenta.

Segundo ele, uma das preocupações é a segurança da população. “Temos consciência de que a iluminação pública traz proteção às pessoas. Lugares bem iluminados afastam meliantes, usuários de droga”, afirma Garcia. Árvores também podem atrapalhar a luminosidade do poste, por isso, a CEB tem equipes de poda de árvores e o trabalho, que também previne acidentes, é apoiado pela Novacap.

Eficiência energética

O presidente da CEB explica que as ações da companhia são divididas em duas frentes: a troca de lâmpadas queimadas e o programa de eficiência energética que prevê a substituição de lâmpadas de vapor de sódio, as amarelas, por lâmpadas de LED, as brancas, o que resulta em uma economia de 40% no consumo.

Mais de 1,5 mil lâmpadas de vapor de sódio foram substituídas pelas de LED em locais como a Praça da Bíblia, na área central da Candangolândia e as feiras permanentes do Núcleo Bandeirante, Guará e Vicente Pires. A CEB também elaborou um projeto para revitalização da iluminação da Torre de TV, que deve ser aprovado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) por se tratar de uma área tombada.

116 é o telefone da CEB para pedir religação de energia elétrica e solicitar manutenção da iluminação pública

Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Espaço Mulher DF - 2013 - Todos os direitos reservados.